Friday, December 30, 2011

Acabar o ano em velocidade :p

  Hoje foi dia de ir à pista, uma raridade que os atletas do professor Daniel Pó não conhecem com muita frequência... mas ainda bem que é assim, primeiro corre-se no duro para depois correr na pista parecer fácil. Mas também não foi por acaso que fomos neste dia, o professor programou um teste para este dia, o teste do Conconi, para quem não sabe no que consiste este teste passo a explicar: O Conconi funciona como um teste de esforço, em que se vai aumentando progressivamente a velocidade entre cones (neste caso a cada 200 metros), de modo a observar-se a evolução dos batimentos cardíacos e assim determinar o ritmo a que se podia  correr distâncias mais longas confortavelmente.
  Hoje só pudemos ir 3 dos Ghosts, e ainda por cima desfalcados por uma semana de maleitas e dureza...mas mesmo assim todos cumprimos os nossos objetivos, mas confesso que para mim foi uma agradável surpresa, aqui fica o meu registo:
200 m: 46 s (3'50)
400 m: 45 s (3'45)
600 m: 41 s (3'25)
800 m: 40 s (3'20)
1000 m: 39 s (3'15)
1200 m: 38 s (3'10)
1400 m: 37 s (3'05)
1600 m: 36 s (3'00)
1800 m: 34 s (2'50)
2000 m: 33 s (2'45)
2200 m: 32 s (2'40)

 Com isto tudo deu-me na zona dos 2'50, à volta do que eu previa...nada mau mas ainda é cedo para fazer avaliações mais aprofundadas, por enquanto o objectivo foi cumprido.
  Porém isto ainda não era suficiente e para descontrair fizemos 6 x 300, com 2' de intervalo a trote, aqui ficam os tempos:
-42'60
-45'60
-45'00
-44'70
-46'80
-44'70

 Já deu para aquecer e para meter alguma velocidade :P Há que acabar o ano em grande e com velocidade..FELIZ ANO NOVO!!!



Orientistas,
LS

Wednesday, December 28, 2011

What is past stays behind us..

   2011 veio e está a findar como todos os anos, e esta é uma altura em que dou por mim a refletir sobre tudo o que fiz e não fiz este ano. Há quem ache que a vida tem arrependimentos e erros que devem ser erradicados da memória simplesmente pela dor que nos causam...mas para mim apesar de já ter errado, tudo o que fiz, todas as opções que tomei definiram-me como sou hoje e por isso orgulho-me da vida que escolhi e daquilo.  E como tal uma das coisas que mais tenho orgulho é gostar de desporto e mais ainda de ter podido praticá-lo estes anos todos sem grandes complicações e tudo o que acertei ou errei foram lições bem tiradas e assim de erro em erro, ou vitória em vitória todos nós podemos evoluir e tornarmo-nos pessoas melhores. : )
   Depois de tudo o que havia conseguido em 2010, na minha época de juvenil de 1º ano e com todo o trabalho mal feito que havia realizado, achava que 2011 iria ser um ano de feitos ainda melhores desde que treinasse a 100%  e o mais duro que pudesse. E assim treinei toda a época cometendo excessos a torto e a direito, nunca fazendo uma prova em que não estivesse em carga ou em carga e nunca descansando corretamente, tudo isto se revelou mais tarde quando eu  precisei de estar em forma e não estive...e no entanto nestas condições obtive um 2º lugar no campeonato do mundo, 16º lugar no sprint do Eyoc, melhorei marca aos 1000 metros, fiz 9'26 aos 3000 numa corrida em que fui sozinho da 1º à última volta depois de 3 provas em cima (incluindo um treino) e ainda uma semana de carga brutal, um 9º lugar no campeonato nacional de mega km com recorde pessoal de 2'42 e ainda um 17º lugar no campeonato nacional de corta-mato no fim de semana a seguir ao Portugal O'meeting que acabou por ser o meu descanso...não vou chamar a isto resultados excelentes, mas tudo o que sinto é que poderia ter feito bem mais. Por isso acho que foi o melhor ano que já tive, não pelo sucesso, mas por estes falhanços me terem possibilitado crescer como pessoa e atleta...foi o ano em que aprendi mais, sobre as mais variadas coisas e se hoje olho para trás sinto uma sensação de alegria porque consigo admitir o que fiz como erro e estou disposto a melhorar.
   Quanto a 2012, não sei o que me reserva, mas as minhas sensações são boas, tudo tem corrido tão bem que acho que nada se vai intrometer no caminho e o que bastou para isso? Fazer as coisas bem, involuntariamente tornei a época passada uma preparação para esta, e este ano acho que posso realizar alguns dos meus maiores sonhos desde que entrei nesta modalidade!


Feliz ano novo 2012!!!



Orientistas,
LS
 

Sunday, December 25, 2011

O eterno jogo de opiniões

   Falar ou não falar é um dilema que todos nós temos. Participar ativamente na modalidade e mostrar as nossas opiniões é algo muito bonito de se fazer, mas temos de saber como fazê-lo e pensar em todas as contrapartidas...não podemos agradar a gregos e a troianos e por vezes coisas que pensamos ser inofensivas causam mais impacto do que aquilo que esperávamos.
   Já tenho idade suficiente para saber arcar com as a responsabilidade daquilo que digo e que penso, e se erro também o devo saber reconhecer, sou apanhado em teias e influenciado por opiniões mas creio que ninguém é imune a isso. Não é muito claro aquilo que estou a dizer, mas espero que seja entendido para quem eu  me dirijo...não esperava ofender a nossa direção com os meus comentários e desonrar o trabalho das pessoas que trabalham para nós a troco de nada, só procuram fazer o vosso trabalho com os meios que possuem. É o problema das influências que somos vitimas, no entanto deixo uma última crítica que custe o que custar vou fazer valer:
   Nós, os atletas não esperamos luxos ou coisas impossíveis da direção, e não duvidamos que o trabalho que aí é feito não seja em prole das seleções e não traga muitas dores de cabeça, no entanto não consigo deixar de culpar a desinformação que somos alvo e que pior do que saber que não temos o desejável é não sabermos nada! e nós treinamos como nunca para poder honrar o trabalho que ai é feito e dar resultados para que a modalidade cresça, é apenas o nosso trabalho e só esperamos que a federação seja sincera conosco.
   Mais uma vez um pedido de desculpas sincero a todas os homens e mulheres que ofendi com os meus comentário inadvertidos, mas não era essa a minha intenção e acreditem que estou grato por todo o trabalho que fazem para nós, mas se querem esse reconhecimento, divulguem isso e não deixem que ideias erradas sejam criadas.
   Um feliz natal a todos e um excelente ano novo mais uma vez! Que o próximo ano seja cheio de felicidades e conquistas para todos.



Orientistas,
LS

Friday, December 23, 2011

O que nos trará o futuro?

   Em 2009 vivia-se tempos de mudança, mesmo quando eu começara a treinar foi tomada a decisão de se criar um grupo de seleção que teria acesso a estágios realizados periodicamente pela federação. Todo este trabalho era encabeçado e levado a cabo pelo Tiago Aires, cujo objectivo era de uma vez por todas lançar Portugal num plano internacional e fazer a modalidade crescer no país, e desde de cedo que o Tiago separou a seleção jovem da seleção sênior e ocupou-se da formação dos jovens atletas que demonstravam valor e ambição e dispôs-se a ajudá-los a lutar por bons resultados nos campeonatos da Europa e campeonatos do mundo . 
   Tarefa impossível diriam alguns...mas nem isso demoveu o Tiago e no meio de espinhos lá se encaixou o lema "Crescer como grupo", coisa que não foi aceite por todos do mesmo modo, muitos de nós ainda viviam a antiga mentalidade portuguesa e pensar em pódios em Eyoc era algo que só podia ser sonhado. No entanto o Tiago Aires nunca desistiu e com os seus discursos sempre tentou quebrar a barreira de gelo que existia nas nossas cabeças, ele realmente possuía o talento de nos motivar e viu uma excelente oportunidade no Eyoc que se realizaria no ano seguinte em Espanha (2010). Programou um estágio nos terrenos em que seriam disputadas as provas e mal ou bem ao longo desse ano foram realizados estágios e treinos, cujo o lema de "Crescer como grupo" era constantemente repetido por ele e já por alguns atletas de opinião mais aberta, e como tal no último estágio da época, cujo recordo-me bem, ele soube fazer o "clique" nas nossas cabeças e de repente apercebemo-nos que o Europeu estava à porta, e se eu tinha o objectivo de um pódio na distância longa, era culpa parcial do Tiago e recordo-me bem aquando a prova do GDC4 caminhos no Crato, em que fiz uma excelente prova na distância média e admiti que queria nesse ano ser campeão da Europa de distância longa, e o 1º a dar-me os parabéns foi precisamente o Tiago. 
   Como ele tinha previsto, esse Eyoc representou os melhores resultados de sempre da seleção nacional em campeonatos internacionais, ainda hoje consigo recordar os momentos de emoção vividos por todos nós naquelas arenas e a nossa atitude exemplar em tudo, momento que talvez nunca vá esquecer e que me marcaram como pessoa e como atleta que sou hoje, esperava-se que após este êxito, finalmente a atitude da modalidade em geral mudasse, mas infelizmente tudo permaneceu igual e aliás ainda piorou mais com a entrada de um novo presidente e como tal foi tardiamente que a nossa preparação começou,  o que se revelou no desastre que foram o Eyoc e Jwoc deste ano...e mais uma vez ficou a sensação do "podia ter sido" mas a verdade é que nunca foi. 
   Este ano seguimos o mesmo caminho, sem destino...apesar de os planos dos estágios já terem sido preparados há muito tempo, a inatividade da federação ainda não permitiu que nada fosse decidido e se no inicio não havia atitude e havia estágios agora é exatamente o contrário, há uma série de jovens que treinam diariamente a pensar nos seus objetivos a longo prazo e a comportar-se como verdadeiros atletas que ambicionam mais e mais alto e qual é a nossa recompensa? Incerteza, perdemos o nosso melhor professor e mal sabemos onde isto irá parar. Confesso que para mim é triste ter de escrever isto, mas os meus olhos não vêm outra verdade e apesar de a minha confiança e motivação serem inabaláveis, não vejo um futuro risonho para quem quiser tornar-se atleta de palcos mundiais no nosso país...é triste que assim seja, porque todos nós temos tanto para dar mas vemos tão pouco para receber.
    É assim que termino mais um ano da minha vida com este post, e me preparo para entrar em 2012, novo ano onde espero levar a cabo tudo aquilo que desejei e se tudo correr bem daqui a 6 meses festejar juntamente com os meus amigos :D Um feliz natal e um próspero ano novo a todos os orientistas e tenho a certeza que nos veremos nalguma floresta por aí!



Orientistas,
LS

Thursday, December 22, 2011

Go hard or go home my friend ;D

   Férias para mim significam apenas que não tenho aulas, porque em termos de treino é quando aproveito para treinar mais duro, e como tal esta semana participei em mais uma edição do orijúnior, na Marinha Grande.. Receita?: 3 x por dia e nunca vacilar.
   Apesar de já conhecer bem os mapas que usámos, confesso que nunca me deixo de surpreender pelo desafio que todos os treinos me proporcionaram, e não podia ter pedido melhor: curvas de nível, janelas, círculos,  noturnas e estafeta foram alguns do treinos que realizámos e todos de grande qualidade, como já é costume dos treinos elaborados pelo Tiago Aires. Acerca das minhas performances, sinto-me tranquilo pelos treinos que fiz, não por serem isentos de erros, mas porque senti melhoras em alguns aspectos e hoje na estafeta consegui realizar um treino limpo e a grande ritmo, tendo sido o único que realizei realmente a sério. Acho que finalmente assimilei alguns princípios básicos e cada vez tenho mais vontade de aprender e evoluir, porque é gratificante ver o nível que já consigo atingir e isso é um sinal de que tenho trabalhado bem...por outro lado sinto-me mais seguro de mim e isso tem sido um bom modo de afastar ansiedades e nervosismos antes de começar a prova, enfim a evolução segue como prevista e o melhor tudo é que ainda posso melhorar ainda mais.
   De resto, a companhia de um finlandês, o Aapo, proporcionou-me um excelente modo de aprender a mentalidade nórdica e o treino das opções longas que realizei em conjunto com ele foi um excelente exemplo disso...pior mesmo foi o facto de me ter magoado na perna, o que me impossibilitou de realizar um treino, e me deixou algo preocupado com a perspectiva de uma lesão nesta altura do campeonato, felizmente a dor amainou, mas não vou forçar mais e amanhã vou aproveitar para descansar o dia inteiro, apesar de tudo o cansaço dos treinos é minimo e sinto-me forte, o que se revela uma boa noticia  para o que aí vem, vê-se logo que é genético xD (3-0, vai buscar). Queria falar por último da saída do Tiago Aires das seleções jovens, apesar de achar que às vezes o Tiago não tem as melhores atitudes com os atletas, e eu já senti isso na pele e ainda hoje sinto, sei admitir que ele é um excelente professor, e se hoje sei alguma coisa sobre curvas de nível foi porque ele me ensinou, a mim e aos demais atletas da minha camada etária, ele de facto possuía um talento natural para o ensino e foi o principal motor que fez arrancar a modalidade e nos deu alguma mentalidade e vontade de acreditar em resultados melhores. Não tenho tanta pena de mim, mas sim das camadas mais jovens que estão agora a iniciar-se na orientação e que não irão poder desfrutar dos mesmos ensinamentos  que eu usufrui...é mais uma chapada na cara da federação que perde assim uma figura importante, esperemos que isto sirva de lição e que o Hélder e o Norman possam ter as condições que o Tiago tanto pediu mas que nunca lhe deram.´




Orientistas,
LS

Sunday, December 18, 2011

Objetivos = metas (In) alcançáveis?

   Atleta não o é sem objetivo e se treinamos com algum plano será com o intuito de se chegar a algum lado. Os objetivos podem ter diferentes pesos e significados consoante a pessoa que os define, há para todos os gostos e feitios, desde quem quer conquistar 25 pódios (toma mais outra xD) a quem quer pódios em campeonatos do mundo. Mas fica sempre uma questão, afinal o que define a essência de um objetivo? Creio que até nesta questão tão subjectiva sou capaz de definir alguns pontos gerais:

-1º Um objetivo deve ser algo a longo prazo, algo que justifique uma época de treino e para onde apontamos todas as nossas armas para estar na melhor forma possível na altura e não algo que se resume a ganhar a próxima prova do calendário, é necessário justificar o treino e saber que tudo que tá para além disso deve ser encarado como preparação.

-2º Ligado ao primeiro aspecto ainda, surge a grandeza do objetivo, quão grande deve ser o objectivo? Não existe uma medida padrão, por isso o objetivo deve ser algo que ultrapasse tudo o que já conseguimos alguma vez fazer, ou seja exija o máximo de nós.

-3º Pode surgir ainda mais ligada aos dois primeiros pontos outro aspecto, o objetivo é viável? Claro que eu sendo júnior, não devo ambicionar ser campeão do mundo de Seniores, por isso o objectivo deve ser algo difícil sim, mas sempre dentro da nossa linha de capacidades, em suma: "Transcender com moderação",

-4º Por último, querem cumprir o objetivo? então o melhor a fazer é esquecer momentos de forma para as provas menos importantes, é necessário cumprir todo o treino proposto e dar no duro quando ainda é tempo, para que se chegue à altura com as baterias carregadas e no máximo. Atitude, perseverança e sobretudo acreditar, é tudo condições que têm de ser reunidas para chegar ao momento e não falhar. Às vezes vai parecer complicado, mas acima de tudo não vale desistir!


 Tudo isto porque quero apresentar os meus objetivos máximos da época e lá, se tudo correr bem, acredito que vou chegar:

Principal:
-EYOC (títulos Europeus)

Secundários:
-JWOC (melhorar resultados e fazer uma excelente estafeta)
-Correr que nem um bicho (2'35, 4'05, 8'50)

Os filandeses até se passaram hoje! Dá-lhe puto ;)


Orientistas,
LS

Saturday, December 17, 2011

ADFA Ghosts, um grupo bem unido.

   Todos nós como bons egoístas que somos, adoramos treinar sozinhos e esconder o nosso treino de outros rivais, para não sermos alvos de "espionagem" (toparam-me esta? xD), porque achamos que assim é que vamos ser campeões perfeitamente sozinhos sem a ajuda de ninguém. Ora eu digo: Ideias de arrogantes, antes de mais não tenho grande moral para falar visto que já utilizei esta "grande táctica" e ainda a defendo por vezes, mas felizmente descobri o que é ter um grupo.
    Há anos que o professor Daniel procura estimular que os seus atletas treinem juntos, mas isto nunca se concretizou...tal coisa revelou-se sempre impossível pelas mais diversas razões, ou por falta de tempo, ou por distância uns dos outros ou simplesmente por rivalidade. Mas quando deixamos de nos preocupar, isso aconteceu naturalmente, e hoje possuímos um grupo forte, não pelos seus atletas serem exímios mas pela força que transmitimos uns aos outros. O mais difícil é sempre ultrapassar as rivalidades pessoais e competitivas, principalmente quando temos idades tão próximas...e acho que isso se torna impossível de se ultrapassar completamente, porque todos temos ambições idênticas e o objectivo de ser melhor que os nossos adversários, mas há uma forma muito simples de ultrapassar isso, o grupo de treino não necessita de ser homogéneo, nem o deve ser, aliás o desejável é existir um representante de diversas camadas, e quero dizer com isto que todos nós devemos possuir o nosso próprio valor que podemos ensinar ao outro.
     Parece fácil dito assim, mas na prática é muito mais complicado e ainda existem atritos, e isto de nos abrirmos aos adversários pode ser uma ideia terrível para alguns, mas de facto conseguimos, e todos os treinos que fazemos juntos apoiamo-nos mutuamente, falamos e todos sentimos a motivação do próximo que nos auxilia a criar a nossa própria motivação. Até mesmo o membro mais fraco ou mais novo se sente integrado e aprende com os mais velhos, e isso tem um valor inimaginável que nem eu consigo explicar bem, confesso que mesmo sendo o mais velho tudo se tem tornado mais simples por treinar em grupo, porque posso sentir in loco o apoio sincero que me é transmitido. O facto é que podemos não ter tantos estágios, nem tantas condições como alguns clubes possuem e têm-se esforçado tanto por mostrar, mas o que é certo para nós é que de dia para dia fazemos treinos impossíveis, e falamos de coisas impossíveis que esperamos fazer e o que é certo é que não nos temos desiludido, temos um treinador brilhante e uma união que nos tem levado a patamares mais altos..um grupo vale por um, e isto é uma lição importante que ensinamos a muitos atletas.
   Pode ser que um dia mostremos o valor prático disto, pois nós temos os nossos objetivos e iremos concretizá-los, para já vem o orijúnior, uma semana de treinos técnicos que iremos utilizar para manter a rotina e entrar bem na época, próximo objectivo: POM e será aí a nossa 1ª verdadeira demonstração de força. Tem sido umas das alturas mais complicadas do treino e se não fosse por causa do apoio mútuo nunca iriamos ultrapassar isto, e felizmente resultados já estão a aparecer, resta apenas continuar!



Orientistas,
LS

Monday, December 12, 2011

Dureza é o que se pede.

    Já lá vão 4 meses de treino, e agora aproxima-se o final do ano a passos largos, e é altura de avaliar o que foi feito nestes últimos tempos:

- Pela primeira vez esta altura não é sobrecarregada de provas de orientação, o que me permitiu dar uma atenção mais cuidada ao treino físico, e não me saturar numa fase tão primária. Apesar de ter tido algumas provas como o absoluto, e outras regionais, não me sinto cansado como em anos anteriores o que por si só é já um excelente indicador.

-Em relação ao treino físico, foi divido por fase, uma primeira de treino básico, seguida de um período pré-absoluto em que realizei algum trabalho de velocidade mas continuando a colocar algum volume. Ultrapassado esse primeiro objectivo era tempo de carregar, e durante 1 mês tivemos um treino muito intenso cheio de treinos pesados e intensos, mas para minha surpresa, voltei a uma fase de volume onde já coloco cargas de corrida não tão intensas mas mais extensivas. Pontos positivos deste treino? encontro-me forte, e nada cansado, apesar de não ter feito o treino na perfeição, sinto que houve um grande melhoramento, e ainda o facto de não ter dado grande importância ao andamento como dei o ano passado, este apareceu naturalmente.

-Treinos técnicos são importantes para manter a rotina, e como tal vamos realizando algumas provitas como este fim-de-semana onde estivemos a testas os mapas da prova de Arronches. Bons terrenos, rápidos mas até desafiantes, realizei uma prova de distância longa de 12,7 km em cerca de 1'07...nada mau, e fiquei particularmente contente pela facilidade de leitura do mapa e por já me ter adaptado à distância longa.



   Enfim, uma fase já lá vai, outra fase espera-me cheia de competições importantes onde vou ter de provar o meu melhor e não vacilar perante as adversidades. Por enquanto tudo corre bem e para a semana teremos a companhia de uns atletas finlandeses que vêm participar no orijúnior e ficarão aqui nesta zona a treinar conosco, num período que o professor Daniel descreve como "duro" espero bem que sim, porque já está na altura de dar algum estímulo ao corpo, preciso de crescer mentalmente.
  Eyoc e Jwoc ainda não sei o que pensar...temos recebido pouco feedback em relação à seleção e aos estágios, acho que já estava na altura de conhecer esse plano, mas pronto não há-de ser nada.



Orientistas,
LS

Monday, December 5, 2011

What ever happened to Daniel Komen?

   Aqui fica um texto biográfico que encontrei na internet sobre um dos maiores atletas que jamais existiu, e que ainda hoje é o único homem a conseguir correr duas milhas seguidas em menos de 4'00 minutos. Daniel Komen tal como apareceu praticamente do nada assim o desapareceu, mas nos seus anos de ouro (1996 a 1998) ele estabeleceu marcas impressionantes num leque de distâncias dos 1500 aos 5000 metros, mas ele é bem mais conhecido pelo seu recorde aos 3000 metros de 7'20...a uma impressionante média de 2'26 por km. Aqui fica o link para quem quiser ler:

http://running.competitor.com/2011/05/features/what-ever-happened-to-daniel-komen_27486





Orientistas,
LS


"In 

Sunday, December 4, 2011

Há malucos para tudo...

    Este fim de semana realizou-se em Coruche a última prova a contar para a taça, e também a última oportunidade de passar o meu colega Rafael Miguel no ranking nacional de júniores...mas nesse dia também havia um corta-mato na parte da tarde, em Portel a abrir o troféu anual do critério Paulo Guerra. Ora como queria participar na prova para tentar passá-lo no ranking e também queria vingar-me da desistência na Amora, acabei por querer participar me ambas, mesmo sabendo que teria apenas 2 horas e meia de intervalo entre uma prova longa e dura e o corta-mato de 6 km.
    Começando pelo relato da prova, posso dizer que constituiu um bom treino de distância longa, um tanto ou quanto secante, mas acho que foi feito um bom aproveitamento do mapa, 11.1 km (linha recta) que se traduziram à volta de 13 km na realidade, chegaram para me deixar bem cansado. Acabei por fazer uma boa prova a meu ver, realizando o tempo de 1 hora e 9 minutos, deixando o 2º e 3º a 5 min o que chegou para ganhar o ranking (apesar de não estar certo se aquilo estar realmente certo) e para me fazer arrepender da decisão do corta-mato. Mas como já tinha decidido agora não ia voltar atrás, e com mais uns colegas, lá formos "tentar" fazer os 6 km, chegámos em cima da hora do corta-mato, e quase nem aquecemos, quando ouvi o tiro de partida tentei relaxar o máximo que consegui para aguentar tudo, mas tornou-se impossível e 3'09 no 1º km deixou-me mal, mesmo assim ainda me forcei a aguentar até aos 4 km, onde parei totalmente morto, com as pernas a parecer chumbo.
     Uma parvoiçe? Acho que não, de vez em quando é bom vermos até onde o corpo chega, e também não ia perder nem ganhar nada em participar nas 2...para a semana começa uma nova fase de treino, e hoje já fiz um belo treininho de rampas com os meus companheiros de treino, o que já deu para aquecer para a semana que aí vem xD ah e uma referência especial aos ADFA ghosts, companheiros de armas que travam guerra após guerra sempre em grupo, anunciamos ainda a entrada de um novo membro brevemente ...;-)
   


Orientistas,
LS
 

Thursday, December 1, 2011

Recordeee xD

    Todas as semanas costumamos fazer um treino de corrida continua onde terminamos com os ultimos 5 min rápidos, e quando digo rápidos é o mais rápido que der, isto sempre possibilitou uma espécie de competição entre nós todos para ver quem conseguia ir mais rápido. Na 1ª fase de treino o tempo de corrida continua era de apenas 30 min, o que dava maior margem para a evolução e nas 5 semanas evolui sempre 1 ou 2 segundos na média, deixando o meu recorde em 2'58 de média...mas a coisa ficou negra quando esses 5 min passaram a ser no final de 1 hora de corrida...tanto que as minhas médias variaram ali em 3'05, também dependendo muito da intensidade com que tinha feito o resto.
     Ora esta semana é para descansar e iniciar outra fase do treino, e ontem foram apenas 45 min de corrida e consegui bater o meu recorde xD, 2'57...com passagem ao km de 2'54 e os restantes 690 metros a 3'02, foi bom...apesar de fazer esta corrida meio a seco, já aguento mais de metade da distância que teria de aguentar em 3000 :P


30 de Nov:   40 min CCM + 5 min CCR         KM: 10.44      Bpm: 155

5 min: 1690 metros - 2'57 - 183 bpm



Orientistas,
LS

Monday, November 28, 2011

O refriar...

 Após 2 dias, finalmente é-me possivel parar e refriar a cabeça e tirar por fim conclusões da prova, aqui vão elas:

Pontos negativos:
-Desistir é um mau principio e apesar de na altura me encontrar algo debilitado e a prova não importar minimamente, já que a havia começado era para acabar.
-Inexperiência em distância tão longa, logo não saberia ao certo com gerir a corrida, o que se revelou principalmente a nivel mental.
-Ter-me deixado entusiasmar talvez um pouco pelo ritmo inicial, se tivesse gerido melhor, teria feito muito mais.


Pontos positivos:
-Ao contrário do que conclui inicialmente, que a parte inicial havia sido muito forte,apercebi que facilmente sustinha aquele ritmo à volta de 3'10 apesar do terreno em que corria ter zonas de lama e areia solta.
-Que qualitivamente não me encontrava assim tão longe da frente, seguindo a cerca de 15 segundos e se numa situação normal tivesse dado para gerir a corrida melhor um top 10 seria perfeitamente possivel.
-Encontro-me numa fase de treino intensivo em que não descarreguei na semana anterior ao corta-mato e com uma distância de 7 km é necessário que o sistema esteja a funcionar de topo e a maior parte dos atletas com que competia se encontram no seu pico de forma visto a terem o Europeu de corta-mato próximo.
-Vontade de querer andar e acelerar o ritmo, que penso que se tivesse em condições para isso tinha conseguido.


Talvez demasiado optimista? olhando em prespectivas alheias, talvez apontasse o dedo, mas eu sei o que tenho feito nos treinos, e se quero uma boa altura para ganhar um pouco de maturidade competitiva, ora aqui esta a altura ideal. Para o ano lá estarei de novo, pronto para aguentar os 7 km outra vez e desta vez no grupo da frente. Agora é semana de descanso e iniciar um novo ciclo de treino, os objectivos competitivos ainda estão longe, há muito para melhorar até lá.




Orientistas,
LS

Sunday, November 27, 2011

Conformado...mas não convencido.

   Como tinha escrito há algum tempo, hoje corri o corta-mato da amora, um corta-mato que gosto muito mas que nunca consegui terminar...acabando por desistir hoje, tal como tinha desistido no ano anterior. Admito que desistir é mau, mas não tenho quaisquer problemas em fazê-lo quando não vale a pena em continuar, mas sinto uma grande tristeza e frustração por não conseguir confirmar aquilo que tinha feito...o treinador afirma ser uma altura de carga, em que nem estamos preparados para estes tipos de ritmos, mas eu não me consigo convençer que não consigo "andar" apesar de a minha preparação não ser dirigida para tal.
   A minha primeira experiência neste corta-mato, foi tal como já tinha dito no ano anterior, onde corri uma distância de 4000 metros no escalão de juvenis. Confesso que tinha uma grande expectativa em obter um bom resultado, e no inicio após aquele ritmo brutal quando as coisas acalmam, simplesmente não deixei o comboio abrandar e acelarei, tentando rebentar com o grupo e dar uma lição aos sprinters, acabei por ser albaroado no fim da primeira volta (de duas), e cai de joelhos vindo a desistir pouco mais a frente. Este ano apesar de não estar tão expectante, com os 7 km que iria ter, tinha esperança que pudesse obter um lugar ali nos 10 primeiros, tendo em conta o que os treinos me diziam. Começo em força como sempre, procuro manter-me resguardado, mas claro que não consegui passando o 1º km a 3'04...mantive-me ali entre os 15 e 20 primeiros, procurando correr de trás para a frente e descontrair pensando no que ainda vinha aí, a principio ainda consegui, mas por volta dos 5200 metros, os meus braços simplesmente pareciam pedra e tive de desistir, não conseguia continuar e não ia ganhar absolutamente nada em sofrer mais 1800 metros a troco de chegar ao fim a morrer. Apesar de tudo ainda consegui uma média de 3'25, e mais uma vez encontrava-me plenamente capaz de aguentar a prova e só recebi como prémio uma dose de frustração que ainda não consegui digerir.
   "Isto não é orientação, não tens ritmo para isto" disse-me um treinador do atletismo, mas eu continuo a acreditar que ele não está certo, pode ser que um dia se engane...porque eu sei que com o que tenho feito, eu e os meus companheiros podemos dar muito mais, e mesmo naquele terreno com subidas e areia solta e o ritmo forte que levava ia completamente solto. Só me resta continuar e esperar pela próxima...






Orientistas,
LS

Sunday, November 13, 2011

Uma bela semaninha :P

Terça-Feira - Intervalado extensivo 12 x 300 c/ 2 min de descanso a trote (terreno desnivelado)
 
Quarta-Feira- Fartleck  2 x (5' CCl + 1' CCR + 2' CCM + 3' CCR + 4' CCM + 3' CCR + 2'CCM + 1'CCR)

Quinta-Feira- Circuito de força + 35' CCM

Sexta-Feira - 1 hora CCM com últimos 5 min rápidos.

Sábado- Rampas 14 x '30 rápidos + '30 lentos ( 1 hora de BTT adicional)

Domingo- 1'30 BTT + 1 hora CCM



Ritmos, tempos e Km's ? Demoníaco...vamos ver no que isto dá :P





Orientistas,
LS

Saturday, November 12, 2011

Agora pensa...


  "Qual o método perfeito para uma melhor performance em orientação?
     Eis a questão mais problemática de um orientista, será que existe um método perfeito? Creio que cada orientista deve utilizar o seu próprio método de orientação, mas na minha opinião podemos concordar todos com alguns pontos:


   -Orientação passa por um objectivo de cumprir um determinado percurso no menor tempo possível, e isso só é possível se houver possibilidade de se correr mais, portanto para mim a simplificação do mapa deve ser o ponto mais importante. O mapa é constituído por muita informação e a leitura da mesma seria demasiado dispendiosa em termos de tempo, portanto a simplificação da informação deve ser a prioridade máxima de qualquer orientista que ambicione chegar ao topo. Quanto menos se ler o mapa mais podemos aplicar corrida, o que será apenas vantajoso, mas claro que a simplificação extrema só prejudica, é necessário existir um controlo e segurança do orientista que terá de escolher determinadas referências seguras e na zona do ponto terá de ter imenso cuidado na leitura pois o ataque ao ponto é fundamental e isso exige uma leitura precisa.

    -Para mim, o segundo aspecto fundamental é a utilização da bússola, este instrumento auxiliar nunca deve ser esquecido e é importante perceber a sua utilidade. Se na simplificação é necessário possuirmos referências precisas em certas zonas, a bússola só vai ser uma ajuda para verificarmos se seguimos a direcção correcta e não estamos a desviar. Não devemos utilizar a bússola apenas para manter o mapa orientado, é importante perceber que os azimutes é algo extremamente útil e poupa o cansaço mental da leitura constante do mapa, é importante também não esquecer que quanto mais perto do traço menos distância percorremos o que só se torna uma vantagem.


  -Outro aspecto a referir será que a existência de 3 principais momentos de uma pernada, a momento em que saímos do ponto, a escolha de itinerário e a aproximação à zona do ponto. A saída do ponto é algo que se deve antecipar na pernada anterior e consiste em nada mais nada menos que direcção, evitando grandes desvios, a escolha de itinerário, se for correctamente antecipada, será um momento onde podemos aplicar a vertente física e procurar descanso mental (isto se estivermos a considerar uma pernada longa), na aproximação ao ponto terá de existir um zona intermédia onde temos de identificar precisamente o local do ponto evitando assim erros. Por isso costumamos distinguir orientação grosseira de orientação precisa, poderemos por ventura considerar num percurso que 80% será orientação grosseira e os restantes 20% orientação precisa. Se eu sou grande defensor da primeira, admito também que a segunda possui grande importância, pois muitas vezes o erro pior nem será a escolha de itinerário mas na zona e isso é algo a evitar. Fundamental a sinalética, instrumento por vezes ignorado, mas que fornece dados fundamentais para abordarmos o ponto de forma perfeita.

Como conclusão atribuo grande relatividade ao método de orientação perfeito, pois cada tipo de mapa possuiu características únicas que exigem tipos de orientação diferentes, adequados a essas características. Podemos admitir que existe uma adaptação das diferentes técnicas ao terreno, não fosse orientação um deporto marcado por diferentes palcos. "


By: Luís Silva




Oriestistas,
LS

Sunday, November 6, 2011

Corta-mato da Amora 2011

       




          Após os absolutos apercebi-me que iria entrar num período sem competições de Orientação (à excepção da prova de 3 de Dezembro do COAC), então decidi-me pela participação em algumas competições de atletismo, de corta-mato na sua maioria mas também espero poder fazer provas de pista até ao final de Dezembro.
          Apesar de não representar muito, apontei as minhas baterias para uma boa prestação neste corta-mato, tão conceituado no atletismo Português. Sei que este ano já subo ao escalão júnior, o que representa um aumento de competividade, mas também não espero ganhar, nem perto disso!  terei de enfrentar uma distância de 6 km num terreno duro com algumas subidas e descidas, mas não é nada que me assuste e até considero uma vantagem. Tenho sentido alguma frustração pessoal pelo facto de estar a correr tão bem e não poder demonstrar isso nas provas de orientação, por isso este desejo de juntar algumas provas de atletismo ao calendário de modo a poder realizar algumas marcas interessantes que sei que posso fazer!
          Cada vez mais me apercebo pelos treinos, tal como os meus colegas têm sentido, que ainda não nos apercebemos da margem de progressão que temos e daquilo que poderemos fazer, como costumo dizer: é impossível fazer-se orientação sem se saber ler um mapa, mas sem se correr também torna a coisa díficil! ; )



Orientistas,
LS

Monday, October 31, 2011

Mais um passo em frente, mas um longo caminho a percorrer :D

                               


     Este fim de semana como já havia anunciado, realizou-se o campeonato nacional absoluto de Orientação pedreste, uma competição anual onde se apura o melhor orientista português, independentemente da idade e escalão de competição. O que distingue este campeonato das restantes provas, é o facto de a 1ª etapa ser uma prova de qualificação, onde se apura os 60 melhores atletas (que competem individualmente na sua categoria, apesar dos percursos serem muito similares) que se irão defrontar numa final, onde a ordem de partida é definida pela posição da qualificatória  (o atleta com o melhor tempo da qualificatória é o último a partir e pior é o primeiro).
  Apesar de em anos anteriores ter-se sentido alguns desiquilibrios por causa da distância da prova, este ano finalmente a final foi uma distância média, de apenas 4,5 km, em vez dos habituais 10 ou 11 km, o que abriu a possibilidade de atletas mais novos conseguirem chegar aos lugares de topo. Quanto às minhas prestações, tinha alguns objectivos definidos e na qualificatória o apuramento era apenas uma questão de gestão, onde procurei sobretudo qualificar-me para ser dos últimos atletas a partir, o que de facto consegui com o 6º lugar alcançado. Quanto ao terreno e mapas, acho que foi uma agradável surpresa e como o Tiago Aires já referiu, a orientação portuguesa deve procurar estes locais para a prática da modalidade e esquecer um pouco os terrenos alentejanos...ouvi diversos comentários negativos acerca da sujidade do terreno e dificil progressão, mas para mim esteve tudo bem, era complicado? sim era e muito, mas é isto que nos torna orientistas de nível internacional e isso deve ser a permissa máxima para todos os orientistas com ambições internacionais.
  Nesse dia ainda consegui arranjar tempo para participar no sprint em Vouzela, uma toliçe, segundo alguns, pois teria a final no dia seguinte e não podia desperdicar energias numa prova sem importância, mas como as oportunidades de conseguir fazer um treino de sprint são tão poucas, decidi mesmo assim ir e não me desiludi, apesar de alguns erros o percurso foi bem conseguido...e o Rafel Miguel está de parabéns, que hajam mais iniciativas destas! :D
  Dia seguinte, final do absoluto...expectativas elevadas para um bom resultado, felizmente não me deixei afectar pela pressão e soube lidar bem com a espera pela hora de partida. Comecei bem rápido e isso reflectiu-se numa parte inicial da prova com alguns erros, mas quando aqueci mentalmente comecei a fazer uma orientação segura e rápida, passei no ponto de espectadores na liderança mas sabia que os melhores atletas ainda estavão para chegar e não irião deixar os seus créditos nas minhas mãos, apesar de tudo fiz tudo por tudo para consegui ganhar algum tempo na parte final do percuso e aproximar-me o mais possívelm quando cheguei só consigo lembrar me do apoio de toda a gente a gritar e a puxar por mim, no sprint final, obrigada a todos e principalmente aos meus colegas de equipa, foram todos importantes!! :D
 

   Concluindo, consegui um 4º lugar na final, que para mim soube a 1º principamente por saber que os meus adversários são mais velhos e melhores que eu. Consegui superar-me e não falhar no momento mais importante e por isso tenho de estar grato a mim e ao professor Daniel Pó (treinador) que me orienta há muito tempo e me ajudou a preparar-me tão bem para esta prova...se isto é o topo? não, é um passo importante para perceber que estou no caminho certo, o que eu quero ainda está para vir e é bom ter estas provas para me pôr em situações de grande pressão, para aprender o que  é lidar com isso e estar preparado nas competições internacionais. De resto só queria dar os parabéns ao meu colega e amigo João Mega pelo 5º lugar alcançado, (o que poderia ter sido vitória certamente se lhe tivesse corrido de feição!) porque é bom ver os jovens motivarem-se e chegarem aos lugares de topo. Deixo ainda uma palavra de motivação aos colegas que correu mal, como o Fábio, o Miguel e o Filipe que tinham possibilidades de grande resultados, certamente um top 15 e que espero muito sinceramente que venham a concretizar o seu valor dentro em breve, não desistam! :D

                                     


Orientistas,
LS

Tuesday, October 11, 2011

Próximo desafio: Campeonato Nacional Absoluto

  Será a prova que dará como terminada a época de alguns, mas para mim trata-se o meu primeiro grande desafio...o primeiro de muitos que virão. Para evitar treinar sem rumo aparente, estabeleci este objectivo a curto prazo e há cerca de 1 mês que treino arduamente para me preparar bem e estar em boa forma quando chegar a prova. O campeonato nacional Absoluto trata-se de uma competição anual em que se elege o melhor orientista português da actualidade o que a torna, pelo menos para mim ao nível de um Jwoc ou um Eyoc sendo uma excelente preparação.
 No meu historial de participação nesta competição constam as edições de 2009 e 2010, que me trazem à memória algumas más recordações...primeiro em 2009 que se realizou em Vendas Novas, só me vem à memória o calor infernal que se fez sentir na altura, e que por causa da minha tenra idade (14 anos) e experiência não logrei alcançar a final, o que se traduziu em expectativas goradas. Decidi voltar a tentar no ano seguinte e apesar de na qualificatória se ter sentido algum calor consegui fazer uma boa prova e arranjar forma de ser dos últimos a partir na final. Na final consegui ser 12º, umas exclente classificação a meu ver, visto ter ainda 15 anos, mas lembro-me particularmente de ter realizado a última parte da prova em grande sofrimento, pagando um pouco a factura do forte ritmo que pûs no inicio. Da experiência que tirei destes últimos dois campeonatos, o que me constou é que a prova foi sempre demasiado longa e física o que não permitiu aos atletas mais jovens chegar aos lugares cimeiros. No fundo quero dizer com isto, que o actual modelo é de certo modo injusto, afinal estamos a tentar eleger o quê? o melhor orientista ou o melhor corredor de longa distância?, um juvenil é muito mais fraco fisicamente que um sénior e até é bom sinal que o seja, e eu recordo-me por exemplo de em Sesimbra ter quebrado imenso na parte final por não ter pernas para uma prova tão longa.
  Isto é um assunto que daria larga discussão, porque no fundo todos nós gostamos das coisas como nós queremos, claro que agora já não me sinto tanto em desvantagem, mas acho que seria mais justo para todos se fosse uma distância média em vez de uma distância longa a definir o campeão nacional...assim avaliava-se as valências técnicas e não as físicas. Mas tudo isto à parte, pelo que vi da s fotos, os terrenos aparentam ser brutais e estou extremamente motivado para correr em mapas tão bons...só posso garantir que darei o meu melhor, até lá é continuar a treinar arduamente :P



Orientistas,
LS

Friday, October 7, 2011

Memórias

  Hoje dei por mim a ver umas notícias no Orientovar sobre participações minhas em Eyoc's e mesmo mundiais ISF. Como estou numa altura de poucas competições e muito treino, e a escola não tem sido muito stressante encontro tempo para ir vasculhar em memórias do passado, mais precisamente redigidas pela mão do Joaquim Margarido, e entre muitas notícias a que mais me chamou a atenção foi a entrevista que dei após o ISF deste ano. Gostei de reler de novo as minhas respostas às perguntas que me foram colocadas, e achei interessante algumas das coisas que disse, bem demonstrativas da altura em que me encontrava...se há algo de que me gosto de recordar é a forma como encarei a minha ida áqueles mundias, e tratou-se de uma altura em que estava muito bem e tinha o objectivo tão claro que não sentia qualquer pressão, sabia o que valia e o que tinha de fazer e de facto cumpri! Já o tinha sentido antes, e parecia-me que nunca mais seria um atleta dos "ses" mas daqueles que estava lá e acertava no momento decisivos. 
   Isso de facto ensinou-me que não se vai a uma competição internacional sem objectivo, e o objectivo não é um desejo, uma condição...é uma obrigação, algo que envolve uma época e mais importante do que qualquer treino físico é a disposição psicológica. Felizmente sinto que cresci como pessoa e estou extremamente contente com o que ando a fazer nos meus treinos e o empenho em corrigir os erros é grande, mas mais importante que tudo, sei para aquilo que treino e quero poder continuar assim. O amor e o gosto pela modalidade deve ser imperioso em qualquer que seja a prova, deve-se viver o mapa. Já consegui fazer provas sem erros, e uma delas foi a distância longa no mundial, e ainda hoje não consigo descrever a felicidade com que começei aquela prova...





Orientistas,
LS

Monday, September 26, 2011

Actualizações

   Já passou algum tempo desde a última vez que dediquei tempo a escrever no blogue, e foi deliberadamente que fiz esta pausa para organizar algumas ideias. Passou-se a taça dos países latinos e neste fim de semana a prova de Sintra e de ambas pouco posso dizer ou concluir.
   Se estava expectante e contente com a participação na taça latina, expectativas essas, dissiparam-se logo à chegada assim que verifiquei que só ia ter um adversário, por outro lado os terrenos que não me deram qualquer prazer (mas dos quais salvaguardo os exclentes traçados) à excepção do sprint que foi o melhor percurso que já corri até à data. Concluindo, foi um fim de semana de más provas em que não dei nada de mim, posso e deverei ser condenado pela minha atitude pois estava a representar a selecção e tenho a certeza que outros o gostariam de ter feito, mas a verdade é que não consegui encontrar o prazer que me ligava antes às provas, e não consegui ver nada para além de um treino...Falando deste fim de semana, a prova do CAOS (e sim isto é o nome do clube), não vou adiantar muito sobre mapas e percursos porque sei como a organização deu de si, e não irei condenar esse trabalho com uma série de comentário desagradáveis acerca de um assunto que mal domino, deixo só aqui o apontamento de como foi interessante poder ouvir a análise do Tiago Aires acerca do mapa...tenho ainda a apontar a pouca sorte que tive na distância média em que perdi 7 minutos num ponto em que não consegui encontrar uma passagem pela vegetação, por esta estar mal desenhada no mapa, são coisas que acontecem e o resultado é o que menos conta. O plano da prova também incluia uma prova nocturna, no mesmo mapa da manhã, em que pouco quero referir para além de me perder num caminho e ainda hoje não saber como...mas como de noite nem tudo é o que pareçe prefiro não dar grande importância ao sucedido, por fim no Domingo para terminar, uma prova de sprint em que os júniores tiveram um percurso idêntico à elite e foi extramente interessante comparar as opções e ver como numa prova em que pensava ter perdido apenas 30 segundos, na verdade tinha perdido mais do dobro, o que é uma brutalidade...diferença física? creio que não e os parciais comprovam-no, apenas falta de experiência e de alguma táctica que espero poder melhorar significativamente com o tempo.
  Resumindo, é uma altura dificil em que estou em plena altura de treinar e como tal não posso esperar grande rendimento nas provas que faço, mentalmente não estou disposto para uma altura competitiva, mas para uma altura em que a época ainda vai curta e em que tempo não me falta...Falta de confiança em mim? por vezes penso que sim, após os campeonatos internacionais, a minha confiança ficou abalada, sobretudo após o EYOC e é algo que vou ter de trabalhar comigo mesmo...porque cada vez mais me apercebo que só posso contar comigo e apenas comigo e é o que irei fazer.



Orientistas,
LS

Monday, September 12, 2011

Férias já lá vão...agora que venha a escola!

   Amanhã darei oficialmente inicio ao meu último ano escolar, o último de 12 anos que supostamente me tronaram num índividuo formado e me preparam para vida profissional que encararei muito em breve...ou pelo menos assim deveria ter sido xD Claro que este objectivo não se pode colocar a todos nós, mas confesso que no baú guardo grandes recordações desta grande experiência que é a escola, e se desejava tão ardentemente há uns anos que acabasse agora reflicto e pergunto-me se estou preparado para o próximo grande desafio que é a universidade.
  Apesar de ouvir relatos medonhos da quantidade de trabalho e tarefas que ingressar no ensino superior acarreta, cada vez mais me entusiasmo não só porque finalmente vou poder estudar aquilo que realmente gosto, mas também pela responsabilidade que me irá cair nos ombros, o que me fará crescer como pessoa e a não estar permanentemente dependente dos pais. No fundo creio que é uma experiência pela qual todos deviamos passar, e eu cada vez mais me convenço que tenho de encarar desafios maiores e deixar-me das facilidades, por isso vou aproveitar o meu último ano para me instruir o que puder e para gozar o último aninho de férias, porque para o ano a vida dura começa! :P
  Quanto à minha vida desportiva, não me vou pronunciar muito porque de uma coisa estou certo: Não vai acabar, e muitos mais sucessos virão ou pelo menos assim espero...um pensamente algo estranho para quem não treinou hoje porque está com um problema de saúde xD Melhores dias virão...



Orientistas,
LS

Friday, September 9, 2011

Mudança de rumos.

 Após esta semana no orijúnior, percebi que algo vai ter de mudar em relação a alguns aspectos. Não consegui fazer nenhum treino limpo, e pareçe que quanto menos erros quero cometer, mais cometo. O que mais me irrita é que consigo fazer uma prova quase isenta de erros e a grande velocidade, e o tempo perdido acaba por ser apenas num único ponto! Sinto que me desleixei em relação aos prinicipios que segui e me levaram a ser 6º da Europa no Eyoc de 2010, admito que não foi o melhor caminho e levou-me a afastar de uma série de coisas, mas também me protegeu e guiou-me diariamente ao meu objectivo sem dramas nem complicações. Apoio da Federação questionamos nós? pois eu mudo a minha opinião e digo excelente, o segredo está no que os atletas querem, e em 2010 confesso de uma coisa de que não me orgulho e não defendo, mas que é completamente verdade, tudo o que me levou a ser 6º foi a minha vontade e querer, porque dos 12 estágios organizados só estive em 2...há que largar os dramas e mudar a atitude e se estive num longo sono é altura de acordar e voltar a mim. O que está á volta não é fácil e o aumento da competividade na modalidade é bom quando direccionamos isso em nosso proveito...temos que crescer como um grupo, mas cada um de nós é um atleta que tem de trabalhar e pensar por si.
  E com isto admito com grande orgulho que no próximo ano quero ser campeão da Europa de distância longa, custe o que custar...e venha quem vier, talento é algo em que deixei de acreditar, agora acredito noutras qualidades que me levarão lá.



Orientistas,
LS

Sunday, September 4, 2011

1 mês já lá vai! :D

   Assinalei no passado 1 de setembro o meu 1º mês de treino, que culminou com um total de 232,3 km percorridos. Ao longo deste mês tenho variado o meu treino com muitos exercícios de força à mistura, corrida e bicicleta sendo que também fiz algumas provas como o WOC tour e o Pto Summer, portanto um excelente começo de época. Quanto à minha evolução, não tenho nada de especial a apontar, porque ainda não competi a sério e os treinos têm rendido de um modo geral o mesmo, posso apenas notar que os níveis de força e resistência melhoraram muito em relação ao ano passado pela mesma altura, ou seja estou a cumprir em pleno o objectivo da pré-época. Outro aspecto que considero importante foi a frequência que treinei em locais desnivelados e irregulares como a floresta o que terá sido o cerne da evolução verificada.
   O que se pretende agora? continuar na mesma direcção e seguir o treino à risca, para já vou participar no ori-júnior, que começa amanhã, e se realiza na Figueira da Foz. Será uma semana de grandes treinos sob a orientação do Tiago Aires o que se traduzirá num melhoramente técnico considerável e motivacional também. Entretanto fui selecionado para a Taça dos Paises Latinos, a realizar em Alicante daqui a 2 semanas, será um bom desafio, mas não creio que estarei no meu melhor e nem será essa a intenção, mas claro que procurarei dar o meu melhor e tentar obter os melhores resultados que conseguir.
   Última nota para a prova das Vindimas que se realizou ontem, como aconteçe todos os anos e que contou com a participação do Tiago Romão e do regressado Jorge Fortunato :P, possibilitando já uma grande competição! Num percurso de sprint traçado pelo Miguel, que apesar de ser ainda tão jovem já toma estas inciativas e nem esteve nada mal no percurso sendo bem melhor que muitos sprint que já tive a oportunidade de correr! Que como ele, muitos de nós tomem estas iniciativas e tenham a coragem de tentar...



Orientistas,
LS

Monday, August 29, 2011

Portugal O'summer 2011

 


 1 semana após ter regressado de França voltei de novo este fim-de-semana à competição, e desloquei-me com o meu clube ao norte do país, na região de Vila Real (serra do Alvão), para participar no Portugal O'summer, competição que se realiza a cada 2 anos. Apesar de querer aproveitar para passar o resto das minhas férias descansado em casa, obriguei-me a ir à prova pois sabia da qualidade técnica dos terrenos da zona e do enorme proveito técnico que daí poderia tirar, e para além disso já lá tinha estado em 2008 numa das minhas primeiras provas e sei o quão desafiante era correr ali.
  Apesar de já ter feito o meu comentário acerca da prova, julgo que fui de certo modo arrogante, e percebo que a organização não tem culpa por nesta altura a maior parte dos atletas se encontrarem de férias, mas não deixo de voltar a reforçar a ideia de que poderia ter sido uma prova com muita mais qualidade, mesmo estando a par das dificuldades que envolve a organização de um evento de orientação. Quanto às criticas que apresentei relativamente ao mapa e aos percursos, não creio que tenha sido com a intenção de um "miúdo que se acha vedeta" mas sim como um praticante regular de orientação que apesar da sua juventude já vai conhecendo algumas coisas sobre o que é um mapa...mas volto a referir que se trata apenas de uma opinião pessoal que pode ou não ser aceite por quem a qual é dirigida, espero que o ilustre cartógrafo Sr.Antunes, que todos nós sabemos ser um cartógrafo de imensa qualidade, visitem o seu site: "www.antunesmapmaker.com" e vejam os grande mapas que este cartógrado faz e do qual nos devemos sentir orgulhosos por ser Português, se tenha sentido ofendido por um jovem de 17 anos achar que a cartografia do mapa utilizado na etapa de sábado tem alguns erros, pois mais uma vez eu admito que não tenho qualquer curso de cartografia, e posso ser apenas um arrogante que não sabe do que fala, mas a minha opinião mantenho eu, custe a quem custar.
  Quanto à minha prestação posso finalmente fazer a minha reflexão cuidada, e como tal creio que foram duas provas que não deverei dar qualquer relevância, e seria uma estupidez ficar a remoer na prova de sábado. Relativamente às minhas dificuldades, ainda não consigo concentrar-me o suficiente e abster-me de outros pensamentos que não estejam relacionados com o mapa, será definitivamente algo a trabalhar mas creio que isso estará relacionado com a minha disposição no momento e a importância que dou à prova em questão. Apesar de tudo já me esforçei mais na leitura do mapa apesar de ainda não ter cuidado nalgumas situações que acabam por me sair caro e me levam a perder muito tempo, já lá vai quase 1 mês de treino e as sensações fisicas são muito boas, pois confio plenamente no treino e no treinador, por agora pretendo gozar um pouco mais as férias e começar a preparar o ano escolar que aí vem. Quanto à orientação, vou estar presente no orijúnior, daqui a 1 semana e meia na Figueira da Foz em que espero 3 dias de treinos de muita qualidade em que vou aproveitar para combater as minhas dificuldades e não tanto para ganhar ritmo competitivo, porque até dezembro só terei a taça dos paises latinos e o campeonato absoluto, competições que não serão relevantes  para a época.



Orientistas,
LS

Wednesday, August 24, 2011

E terminou :(

 Finalmente arranjei vontade para relatar a minha viagem de verão ao WOC tour em França, se o meu corpo está cá já há 2 dias, a minha mente só voltou hoje e é por isso que escrevo. Não pretendo com isto dizer que tudo foi inesquecível e fantástico, passar 12 dias seguidos com as mesmas pessoas a toda a hora e a todo o instante pode ser tramado e nem sempre as coisas correm bem, mas é a diversidade de coisas que acontecem que tornou esta viagem tão enriquecedora, e claro que também houve muitos momentos bons e dos quais espero recordar-me sempre. Não consigo dizer do que gostei mais, se foi de ir lá para correr naqueles mapas, ou ver o WOC ao vivo e viver todas aquelas emoções de ver os melhores do mundo a defrontarem-se pelo titulo mundial ou se foi as férias que passei com os meus amigos e todo o divertimento que tivemos, porque se já  ficaria contente em conseguir uma das coisas, ter as 3 ao mesmo tempo foi simplesmente fantástico!
  Tudo começou no dia 10 de Agosto bem cedo, em que saimos de carrinha aqui do Pinhal Novo rumo ao nosso destino, La Féclaz uma povoação pequena mas extremamente agradável situada a cerca de 1300 metros de altitude situada em plenos alpes franceçes. A maioria de nós acha a viagem a parte mais cansativa e secante, mas eu considero a parte mais interessante, pois é dificil imaginar como num só dia me vou encontrar em 3 paises diferentes! sendo que as paisagens diferem muito e é algo que vale a pena observar. Chegámos ao destino no dia seguinte por volta do almoço, comemos alguma coisa e fomos treinar ao mapa mais complicado da zona, Montagne de Bange, o treino consistiu em ir rolar com o mapa, mas como me demorei mais a despachar-me os outros não esperaram por mim e fui sozinho para a floresta sem mapa e sem bussola, andei assim quase 40 min até que miraculosamente encontro os restantes (xD) no meio do mato para grande espanto meu e deles, pois foi como encontrar uma agulha num palheiro! e acabámos o treino a descer a encosta a altos ritmos para fugir à noite que se adensava por cima de nós. Nesse dia e nos outros dois foi dormir dormir na carrinha e realizar alguns treinos em outros mapas, até que finalmente fomos para o campismo (que acabei por descobrir que não era mais do que um prado com a erva bem cortada) e montámos a nossa barraquinha, palácio que no iria albergar na próxima semana :P. No dia antes da competição ainda fui dar uma corridinha ao topo da montanha, para grande fatiga minha e do Romão (que foi a minha companhia) e esperei expectante de como me sairia na minha primeira experiência oficial nestes mapas...quanto ao programa do WOC, nos primeiros dias seria apenas qualificações e a primeira prova a sério seria no dia de descanso, o sprint que se realizaria em qualificação em Aux-le-Bains e final em Chambery. Relativamente à competição farei uma análise mais detalhada noutro post, mas posso adiantar que o 14º lugar não foi de todo mau e que o facto de ter sido 65º num dos dias não possibilitou um melhor resultado, creio que acabei por salvaguardar a minha competição quando fui 3º classificado no último dia, por isso nem foi mau de todo...e o WOC acabou por ser o melhor espetáculo que já tive a oportunidade de presenciar, parabéns ao Daniel Hubmann, o meu grande ídolo, pelo titulo simplesmente fabuloso do sprint e pelas excelentes provas que fez na Longa e Estafeta apesar de só ter regressado de uma grave lesão há relativamente pouco tempo! e ainda ao Diogo Miguel e Miguel Silva pelos resultados no sprint apesar de ainda serem novos e terem muitos anos para fazer bem melhor! Só posso dizer que toda esta viagem me motivou imenso e creio que finalmente me considero preparado e com vontade para treinar arduamente para o que quero conseguir nos próximos tempos, a felicidade que sinto quando pego num mapa é algo que nunca quero deixar de poder sentir, e se ás vezes corre mal, é caso para dizer que "vezes não são vezes" o que interessa é saber acertar :D


Orientistas,
LS

Tuesday, August 9, 2011

A aventura está prestes a começar: Woc tour 2011 Savoie Grand Revard

  E finalmente começa amanhã a viagem pela qual esperei o Verão todo = D.  A saída será por volta das 7 da manhã daqui do Pinhal Novo de carrinha e espera-se que dure à volta de 1 dia e meio, contando com as paragens...Atribuo uma importância imensa a esta viagem, porque à semelhança de 2009 em que tive a experiência de assistir ao vivo a um JWOC tendo este ano já participado, vou poder agora ver ao vivo um WOC, o que eu sempre quis porque finalmente vou perceber como funciona e poder sentir em direto as emoções de ver os campeões do mundo a chegar, e melhor que tudo apoiar a comitiva portuguesa que estará lá a representar as nossas cores e merecem todo o apoio do mundo porque acredito que bons resultados sejam possíveis. É importante na vida de um atleta poder ter contacto primeiro como espectador e depois como competidor.
  Confesso que estou curiosíssimo para navegar nestes terrenos que no último ano constituíram uma grande polêmica no mundo da orientação, sendo um dos principais aspectos a elevada complexidade do mesmo, algo inédito num campeonato do mundo. E quando falo de complexidade uso o sentido mais pesado da palavra, pois os melhores atletas do mundo passaram aqui grande parte da sua última época a treinar e ainda cometem erros superiores a 3 minutos sendo que a relocalização é quase impossível depois de perdidos, isto não é normal para estes atletas que raramente perdem mais de 30 segundos numa prova normal chegarem aqui e cometerem "pastos" deste calibre. Bem relativamente a mim, vou participar no escalão H18 e o meu principal objectivo é dar continuação à minha pré-época da melhor forma nestes terrenos extremamente difíceis, não ambiciono vitórias, mas simplesmente a experiência que esta participação me vai proporcionar o que já é imensa, entretanto continuo a treinar, e tenho-me sentido melhor que nunca e com vontade de continuar. Creio que finalmente vou fazer as coisas bem e espero mesmo que assim seja. Para já o que conta é apreciar a viagem e   poder ver os melhores do mundo em ação esperando um dia pertencer a essa classe :D


Orientistas,
LS

Thursday, August 4, 2011

E que começe o treino!

  Comecei oficialmente a treinar a passada Segunda-Feira, após 2 semanas de repouso total o meu treinador decidiu que já era altura de começar e mexer e assim foi! Com um conjunto de exercícios chamado de "circuito estático" mais 35 min de corrida continua lenta dei inicio a mais uma época :D No entanto não vou começar já a treinar em força porque o inicio de uma época deve ser calmo, vim de 2 semanas de pausa e nesta altura o objectivo do treino passa por trabalhar o corpo como um todo, como por exemplo ao nível das articulações e músculos que habitualmente não trabalhamos com o treino normal, tudo isto tendo em vista a melhoria de alguns aspectos que não damos importância mas que têm um papel essencial nas nossa corrida, como a postura de corrida por exemplo que quanto melhor for maior será a proteção contra lesões ao nível dos músculos e articulações.
  Como muita gente pensa, a pré-época não deve servir só para "pôr quilômetros", mas também para preparar o corpo para o esforço que vai ter de aguentar durante toda a época e principalmente no período competitivo não ressentir-mo-nos do treino. Para já treino 5 x por semana e só começarei a treinar 6 quando voltar de França, que espero que seja um bom inicio à parte técnica, até agora tudo tem corrido bem e já me vou sentido melhor embora ainda só tenham passado 4 dias : ), que seja uma época ainda melhor do que as outras!


Orientistas,
LS

Monday, August 1, 2011

Uma lenda que me continua a inspirar...

  






    Já andava há algum tempo com vontade de escrever sobre um atleta que eu vejo como uma lenda, não por ter sido campeão do mundo milhentas vezes como um Thierry Geourgiou, (aliás só o conseguiu uma vez em 1997 e foi numa equipa de estafeta), mas por ter sido tanto um grande corredor como um grande orientista. Geralmente é considerado que "orientistas" e "atletistas" são duas espécies diferentes, embora provenientes do mesmo ramo...o ser orientista é caracterizado por ser lento, grande, resistente e forte como um boi, que adoptou um estilo de habitat selvagem e o obrigou a usar o cérebro para resolver problemas intricados. Já os meninos do atletismo, pequenos, leves como uma pena, rápidos embora não desprovidos de resistência e aparentemente sem cérebro o que lhes permite possuir uma capacidade sofredora que os leva aos limites, já estes encontram-se "domesticados" em pistas de atletismo, embora tenham criado uma fraca imitação do que é a vida na floresta com o corta-mato...
  Ora eu pergunto-me, o que resultará quando estas duas espécies de cruzam? Amigos, apresento-vos Carsten Jorgensen, o único atleta que conheço que já conseguiu medalhas quer em campeonatos internacionais de orientação quer em campeonatos internacionais de atletismo. Entre o vasto palmarés deste atleta (de origem dinamarquesa) encontramos uma medalha de bronze nos campeonatos do mundo de orientação em 1995 em Detmold, e no mesmo ano em que foi campeão da Europa de corta-mato (por curiosidade no Jamor) em 1997 foi igualmente campeão do mundo de orientação em estafetas...e aqui falo só      de alguns resultados de maior destaque, porque este menino conseguiu igualmente um 16º lugar num campeonato do mundo de corta-mato e sim já na altura da armada Africana, falo ainda de algumas marcas na pista e na estrada, respectivamentes 10000 metros e meia-maratona onde conseguiu 27'54 e 1'01'55, tendo ainda resultados de destaque em campeonatos da Europa de atletismo e no campeonato do mundo de meia-maratona (17º)!
   É verdade que o sucesso deste atleta no atletismo foi essencialmente no corta-mato e em distância longa, mas como uma vez ouvi alguém dizer: "Se quiseres participar num campeonato de corta-mato tens de te dedicar exclusivamente ao atletismo..." agora digo eu que isso é mentira, admito que nem todos tenhamos capacidade atléticas para fazer o que o Carsten Jorgensen fez! mas isso não é razão para que não se pratique atletismo e se tenha igualmente bons tempos e bons resultados!






Orientistas,
LS


Saturday, July 30, 2011

Planeamento de época

    Apesar de estar sem treinar, já preparo minuciosamente a próxima época procurando evitar os erros já cometidos. O planeamento de uma época é uma tarefa extremamente espinhosa, porque é difícil conseguir ordenar correctamente um conjunto tão grande de variáveis existentes. Um dos pimeiros aspectos em que incindi foi os objectivos, o ponto que considero mais importante, todo o treino tem de estar direccionado para um fim, nem que seja melhorar a saúde, mas mesmo aí tenho um dilema. O meu grande objectivo são os campeonatos internacionais (JWOC e EYOC) e é nessa altura que quero estar na máxima força, mas um dos problemas com que me deparei esta época foi a longevidade da época visto que começei a treinar em Agosto e os campeonatos são Junho/Julho, altura em que já me apresentei cansado. Não pretendo alterar o meu calendário, porque sempre o mantive assim, então uma boa solução que tenho pensado seriamente é atender nesta primeira parte até Dezembro, a um gosto que tenho e fazer algumas provas de atletismo, treinando inclusivé para tal, fazendo uma paragem no inicio de Janeiro para poder treinar nos 6 meses seguintes sem limitações. Claro que não esqueço orientação e como tal participarei em alguns estágios e provas, mas não darei importância aos resultados competitivos nessa altura visto que não influenciarão em nada as minhas performances em Junho e Julho.
   Outro aspecto a que tenho de atender é a concentração de competições, visto que o meu objectivo é programado, não devo ocupar alturas em que tenho de treinar com competições e como tal existirão alturas da época para competir e alturas para treinar a 100%, e colocar o corpo em constantes pressões fisicas e mesmo psicológicas só leva ao cansaço do sistema nervoso e posteriormente a um fraco rendimento quando se quer estar forte.
   Respeitar o treino será algo que vou cumprir mais que nunca, todo o treino tem uma sequência lógica e mesmo aqueles treinos que considero inúteis têm a sua utilidade, o treinador sabe sempre o que diz e se está programado 1 vez por semana andar de bicicleta e não correr por alguma razão é. Paguei bem caro por desrespeitar principalmente na pré-época as indicações dadas por achar que o treino era demasiado fraco...
  Agora falta expôr estes assuntos ao treinador e procurar algum feedback quer seja positivo ou negativo...e apesar de ser descanso já me vou mexendo e hoje corri 24 minutinhos bem calminhos (5'17 min/Km)  para não me esqueçer de como se faz... xD



Orientistas,
LS

Tuesday, July 26, 2011

E os exames terminaram!

  Finalmente posso afirmar a plenos pulmões que estou de férias! Sim é verdade, foi hoje o último de dois exames que realizei respectivamente ontem e hoje, parece uma sentença pesada para quem não compareceu na 1ª fase por ir representar o pais...mas até nem foi tão complicado assim, Física e Quimica e Biologia e Geologia são duas disciplinas que domino bem, e Astrofísico é o pretendo tornar-me um dia se a minha vida assim o permitir, mas claro que nunca esqueçerei o desporto! Serei igualmente atleta, de facto até estou curioso para ver que espécie resulta de um cruzamento entre um Einstein e um Thierry Geourgiou (claro que adaptado à minha escala xD), será uma mutação interessante...mas o futuro ainda está longe e viver o presente será de maior importância.
  Começando pelo de Fisica e Quimica confesso que estava expectante, porque dominava bem a matéria mas não saberia que parte o exame incindiria, também sabia que os critérios eram rigidos e algumas vezes sem sentido, por isso preparava-me para a guerra, e quando me entregaram o exame abri a 1ª página e reparei que começou com um exercicio em que nos era requerido desenhar o espectro da luz...(no coments), mas passou-se e felizmente ainda encontrei alguns exercícios desafiantes mais adiante. Exame feito, estava contente porque tinha feito tudo sem dificuldade e finalmente poderia ambicionar o tão desejado "max level", mas quando vi a correcção vi que a minha nota rondaria à volta do 17-18, pelo que até nem devia estar triste, mas o meu futuro está em causa e esta discplina é algo que gosto muito e claro que ambiciono sempre mais.
   Tendo dormido poucas horas nessa noite, esperava-me hoje o de Biologia e Geologia e esse pensamento dava-me dores de cabeça, porque o exame da 1ª fase era complicado...mas pronto lá tinha de ser e mais outra noite a dormir pouco para algumas revisões de última hora, e de manhã antes do pequeno-almoço mais umas afinações encarei com coragem a minha última grande competição do ano, o exame acabou por revelar-se acessível ou pelo menos assim o pareçeu...mas o que é certo é que me correu bem e estou contente com o que consegui mesmo com exames em dias seguidos, se nos testes às vezes sou um pouco distraido aqui não me posso queixar porque consigo encontrar-me à altura...mas decerto que o estudo atempado será algo a desenvolver urgentemente xD
   Agora resta-me descansar e esperar pelo dia 10 de Agosto, dia em que irei para o woc tour (não me canso de referir isto!), até lá irei procurar manter-me activo, e preparar as coisas para a viagem, mas agora só quero ir dormir...embora acho que ainda aguentava uma provinha de orientação :P




orientistas,
LS

Friday, July 22, 2011

A pior prova da minha vida...

  Sei que os erros devem ser esquecidos e ultrapassados, no entanto há memórias que levam algum tempo a desaparecer pelo impacto que causaram. Não falo aqui de provas que falhei quando estava a dar os meus primeiros passos de orientação, pois nessa altura toda a gente falha e eu não era excepção, mas sim daquelas provas em que não devia acontecer o erro e aconteceu. Começo por fazer referência ao EYOC 2009 na estafetas em que para além da porcaria de prova que fiz ainda brindei com um mp e selei a desqualificação da minha equipa...um erro que alguns condenam extremamente, mas eu chamo-lhe erro de novato, de quem ainda só fazia orientação há 2 anos e tinha obtido um 18º lugar na distância longa no dia anterior, algo inédito para um novato que bateu assim a classificação de mais consagrados atletas! Claro que lidar com a pressão não seria o meu forte na altura. Mas passemos adiante e avançemos até esta época em que consegui das melhores provas de sempre, algumas provas praticamente sem errar, mas ao contrário do que me acontecera na época anterior falhei nos momentos importantes e começei em grande no Portugal O'meeting onde faço 4 provas de baixo nível falhando assim o meu primeiro objectivo...Chego ás vésperas do EYOC e JWOC, o que realmente me interessava, e nos campeonatos nacionais de distância média perco uns íncriveis 8 min(!) numa prova de 4,2 km, mas isto só para aqueçer o que ainda vinha ai...no EYOC consigo perder 14 min na distância longa...e 12 min deste tempo foram em apenas 6 km de prova, visto que me redimi na segunda parte e não cometi mais erros significativos, na estafeta cabeça erguida e não falhar, mas mais uma vez 12 min de prova perdidos e nem eu sei como, simplesmente desliguei-me do mapa e não consegui ler nada! Desilusão profunda que me levou a profundas reflexões mais sentimentais na altura que agora se tornam racionais...No JWOC apesar de não ter obrigação de tanto continuo a perder muito tempo por prova e na qualificatória da média em que consigo a final A, mas apenas porque vou metade da prova em 7º! pois consigo a proeza de me enfiar num pântano intrasponível devido a uma escolha de intenerário temerária que numa qualificatória é suicidio, e ainda no ponto seguinte a mesma asneira, tudo isto custou-me 1'30. Se pensava que já tinha acabado, na final da média perco 5 min que retirando ao meu tempo era um top 10, embora sei que não sendo um top 10, seria sem problemas um top 30...
  E volto ao mesmo assunto, EYOC e JWOC...mas sim a verdade é que me falta aprender muita coisa e todos nós concluimos o mesmo...mais trabalho e mais trabalho, é por isso que hoje tenho o mapa da final da média colado para me lembrar disso ao longo da época, porque não quero voltar mais a fazer o mesmo e solução para tal não acontecer? treinar e treinar, mesmo naqueles dias negros e chuvosos em que só aptece ficar em casa vou olhar para aquele mapa e lembrar-me da falta de pernas que tive a meio da prova...motivações, que posso dizer mais?




Orientistas,
LS

O que se corre por aí...

 
    E passa-se assim mais uma semana em que tenho estudado para os exames que vêm aí e confesso que tenho andado algo ansioso com o que ainda me falta estudar quando já queria estar de férias a descansar. Bem mas não pode ser só estudar e tenho acompanhado, à falta da minha amada orientação umas provitas de atletismo tal como o campeonato da Europa de juniores onde as prestações portuguesas tanto me supreendem pela positiva como em nada me chocam pelos maus resultados, mas isso nem é a verdadeira razão que me leva aqui a escrever, hoje num meeting da Liga diamante no Mónaco em que quase, apenas 1 centésimo atrás(!) se bateu o recorde do mundo de 3000 obstáculos com o fantástico tempo de 7'53'64, sem surpresas por um queniano...mas a prova de 5000 também produziu algumas performances assustadoras com o britânico Mo Farah a vencer com 12'53 e Bernard Lagat com os seus 37 anos apenas a uns centésimos em 2º a bater unclusivé o seu melhor pessoal, mas se Lagat tem uma idade fora de normal para um atleta deste nível mais ainda me surpreende o 3º classificado com uns tenros 17 anos (1993) Isiah Koech a fazer nada mais nada menos que 12'54, é verdade este júnior queniano é candidato a campeão do mundo em Daegu, pode ser que se aguente mais 1 aninho até bater o recorde do mundo... xD Mas nem tudo são Africanos e alegra-me que já alguns caucasianos se cheguem à linha da frente e combatam esta hegemonia dos atletas africanos nas corridas de meio fundo e fundo, rezemos para que os africanos não se lembrem de apostar em orientação...até lá é começar a pensar que correr um tempo abaixo de 15 aos 5000 não faz mal nenhum a um orientista que ambicione um bom resultado no mundial.
  Agora só espero arduamente que chegue 3º feira da semana que vem para poder dar por terminado esta maratona e começar a preparar a viagem a França, que aguardo com muito entusiasmo, visto que é o primeiro campeonato do mundo a que assisto ao vivo, um dos meus maiores sonhos e ainda o facto de poder fazer orientação naqueles terrenos que se adivinham de uma dificuldade brutal. Será um inicio de época muito bom, e espero encontrar-me descansado embora já começe a sentir o descanso a fluir, ainda não sinto as pernas totalmente bem.


orientistas,
LS

Tuesday, July 19, 2011

Rankings nacionais

  E já se encontram disponíveis os Rankings da taça de Portugal deste ano. Acabei por classificar-me em 4º no escalão H20 depois de uma época em que foram muitas as provas que não me correram da melhor forma, até porque nem seria bom sinal se eu me encontrasse em boa forma nessas provas. Nenhum atleta que treine arduamente deve possuir objectivos que sejam algo como ganhar o ranking nacional, ser campeão nacional ect... as provas da taça devem servir como treino a um objectivo maior, os campeonatos internacionais, não foi por acaso que a época passada ainda sendo juvenil decidi subir ao escação H20, que para além de as provas serem mais dificeis são muito mais duras, e se este ano se pretendo ter objectivos no JWOC tenho de começar a fazer algumas provas na elite, pode parecer querer subir muitos degraus cedo demais? eu creio que não, visto que as provas aqui em Portugal não são demasiado duras e dificeís, mas decerto que a dificuldade é bem maior do que nos juniores, será um excelente treino técnico a juntar ao treino físico que vou realizando ao longo da época.
  Mas claro que uma competição como o Portugal O'meeting que se tem tornado tão competitivo como uma prova internacional, visto que muitos dos melhores atletas Europeus participam nesta prova, deve-se aproveitar para criar com isto um objectivo menor, como um teste que nos prepara para o exame final, e procurar estar em boa forma de forma a poder competir ao mais alto nível com os atletas do escalão etário.
  Claro que quando exponho aqui estas ideias não pretendo melindrar ninguém que possua objectivos na taça, cada um é livre de o fazer, eu aconselho isto aos atletas jovens, mas principalmente aqueles que têm ambições no EYOC e no JWOC, aos que já participaram conhecem agora o alto nível ,que cresce de ano para ano, que encontramos nessas provas e é preciso muito trabalho para se chegar ao topo, aos que não participaram aviso do mesmo, treinem muito mesmo, mas treinem bem principalmente.



orientistas,
LS

Monday, July 18, 2011

Orienteering in the airport :p

  Não é ori show, nem mega sprint ou ainda oribus. Este tipo de orientação teve a sua origem no seio da equipa Portuguesa que nos representou no JWOC (e da qual fiz parte xD), mais precisamente quando nós aguardávamos no aeroporto de Amesterdão o voo de ligação para Lisboa. Quando descobrimos uns mapas do aroporto, relativamente parecidos com os mapas de orientação, o Tiago teve a brilhante ideia de desenhar uns percursos e montar as balizas e lançar o desafio para ver quem realizava o menor tempo. 
  O entusiasmo foi geral, mas ninguem contava ainda com os obstáculos de um mapa demasiado simplificado e a "densa vegetação" que parecia mover-se por todos os lados, e lá fomos um a um com o Tiago a fazer de sombra e a filmar o decorrer da prova de todos, o que possibilitou que a Mariana juntasse tudo e fizesse um vídeo fantástico que aconselho à visualização :P



Quanto à minha prestação, apesar de ter o melhor tempo não tive uma prova isenta de erros mas como o mapa não era demasiado detalhado isso facilitou-me muito as coisas xD, creio que com mais algum treininho e um dia poderei aspirar ao título mundial de campeão de orientação nos aeroportos xD



Orientistas,
LS

Sunday, July 17, 2011

Férias...

 E mais uma época termina, é altura de "arquivar" o que já passou e olhar a novos horizontes, corrigir erros e pensar no que aí vem. O que se passou no EYOC e no JWOC é um assunto já por mim esquecido, mas volto a tocar no assunto como um modo de colocar o ponto final naquilo que foi um dos piores insucessos que já tive, apesar de aceitar que nem sempre tudo corre conforme planeado, sei que houve factores decisivos nos quais não tive qualquer culpa, como 9 meses em que a Federação esteve inactiva por uma direcção impotente e um presidente que nunca devia ter tomado as rédeas do poder. Quando uma nova direcção foi eleita, 3 meses antes das grandes competições, ainda nem existia um plano de participação nos campeonatos internacionais...milagres não existem e o esforço que foi feito no mês de Maio para nos dar alguma preparação só veio massacrar quem já treinava desde de Setembro, espero que isto não seja entendido como uma critica ao esforço da nova direcção, mas sim ao excelêntissimo EX-presidente Alexandre Guedes da Silva (que recentemente entendeu mal uma publicação da minha autoria no Orientovar). Enfim quando cheguei ao dia não estava bem e não cumpri, resta-me a motivação de saber que conseguia chegar mais longe do que o que cheguei.
  Por agora, de volta a casa ainda persistia e não tinha dado a época definitivamente por terminada até este fim-de-semana e insisti em continuar a treinar para  fazer 1500 metros e 3000 metros. Como seria de esperar, as provas não correram de modo algum bem, e fiquei longe daquilo que valho, 4'19 e 9'44 são marcas fracas e para aquilo que pretendia esta época, fiquei longe. É um sinal evidente que a paragem é urgente e é o que irei fazer até Agosto e só voltarei a treinar quando participar no WOC tour, uma experiência que terei a oportunidade de falar mais tarde. Despeço-me assim na prespectiva de uma semana em que vou estar a estudar arduamente para os exames de Biologia e Geologia e Física e Quimica, visto que me "baldei" à primeira fase...


Orientistas,
LS

O nascimento de um "espaço pessoal"

  Finalmente tomei coragem e dei asas a uma ideia que já se vinha formando na minha cabeça há algum tempo, a criação de um blogue, sempre fui um pouco reticente em criar um, porque sou contra à maioria dos atletas que criam um blogue para apenas mostrar os seus resultados...para mim isso não é mais do que uma atitude egocêntrica e uma tentativa frustrada de protagonismo. Na minha opinião um blogue deve ser sim um espaço pessoal onde o atleta se mostra, mas deve ser igualmente um espaço critico e de discussão dos mais variados assuntos relacionados com a modalidade neste caso orientação, sejamos criticos e só assim faremos a modalidade evoluir! Toca a pôr mãos à obra...