Sunday, December 30, 2012

Portugal O'meeting 2013 - coming soon!

   To end the year I spent last 4 days in Idanha-a-Nova, place where Portugal O'meeting will be held. Next year my club will be the organiser of this big event that take place every year in Carnival time, and looking for the previous years our responsability will be great, last edition of POM took place in amazing terrains and the middle distance of WRE was elected as the course of the year, so find terrains at least so good as last year was a real challenge. Well but I think we found them, in this training camp we were doing some course tests and went over all map to check every control place and I can say that it looked like that I wasn't in Portugal anymore, the terrain of 1st and 2nd day will be Alentejo terrain, but the map for the next 2 days is absolutely amazing, and I can ashure to everyone that will not be easy challenge to go on there, I know what I suffered before I was able to at least run at moderate speed and navigate there and the word "simplify" gained new life on my head.
    So another year is ending, I already spoke about last year in the previous  post but if I had to describe what I feel about 2013 in some words I would say I feel ready and commited to do more, not in specific part of my life, but just do more. I don't expect easy things to come, or that everything I want will happen the way I want, I just expect of myself that I'm able to hang on and continue believe that I can do what I want of my life, this is my hope and everything what I wish in the next year.
    About this blog, well I don't know exactly the purpose of writing here, I thought about it many times and I wonder if I started this to tell here that I'm good when I have good results or give excuses when I have bad performance, I can say in the beginning it was little like that but now I prefer to write little more about my ideas about this world (maybe that explain why my readers are so few now :P) and share them with everyone, deeply is just a different way to speak and for me is the one I can do better.



Happy new year orienteers and rest of my readers!
from Luis Silva

Thursday, December 20, 2012

Happy memories.

   2012 is about to get finished. It is always interesting to stop and look behind our back, and I don't mean in a way that you divide your year between things you did right and you did wrong, but just remember every moment and try to live it once more before it really becomes past. But even every years are special I have to say that this one was big mark on my life, I've become universitary student and with my 18th birthday I'm grown in the eyes of the law. Maybe some of you wonder where is the special thing of enter in university or that you 18th birthday comes, it is all part of life stages, there is time for everything, be child, be teenager but then you have to acept when it's time to take is siriously and be happy with that. 
   For me this is the stage where I will trully define what the rest of my life will be, I've made important choices this year, choices that I can't go back on them and I just have to trust that I choose it right and even the result was or will be bad I have to believe I still can be what I want and this is just big way to go on it. 2012 was special for me, it gave me so much and oppened so many doors, I just have to take a risk and follow it.
   My semester is ending and honestly I'm really happy, now I know I will never regret the area I choosed because I really feel great on here and my attitude is really good, the exams will be tough part ok but I think after this 3 weeks of study I can say I'm ready to face it and get the job done. Other good thing is that I'm finally put good training on my baggage, I'm motivated for what comes next and I feel happy on do this.
   I can say my year is having a good end, I have to apologize everyone I harmed this year with my actions and words, I guess we all fail, and more important than anything I want to apologize about all I said about Eyoc and Jwoc, I never thought I would come to say this but now makes sense where was the problem, the problem was here, on this empty head, but I'm glad it happened for me it was hard lesson but I've decided that from there to future I would change my attitude and then speak about motivation and aims.
   Well what to say more? do I regret about anything? no! it was just another step on this big process that we call life and I just pitty the ones who are not able to look inside and makes their own lifes have some meaning. 2013 will come, as 2014 and guess what I will be growing always as I shall.


Merry Christmas, and a happy new year for all my readers. :)

Orienteers,
LS


Thursday, December 13, 2012

"You have to start work hard!"

    The first weekend of selection camp and I was there just too conclude that there is no miracles. The senior level here is not the joke it used to be, those guys are working hard and to keep with them I had to be working the same, thing that I wasn't able to do, yet, enough. So looking for the 5000m results, I think I'm miles away from the front guys now. On the forest I felt good and even I was not fit enough I handle good with the hard trains but I fall dead in the second day on mass star, but something important was that my foot was ok and not hurting..
    Still about that "little" problem that has been making me be unable to train I finally found good doctor to check it and I hope soon enough I can comeback because I need! I just want to start training and strong, work for next season. The trains in the camp had high quality and they were quite interesting, I had general good technical performance, something I wasn't expecting due to the time I was without touch a map but I guess that my maturity in that subject is increase and I'm able to avoid simple mistakes and turn my navigation easy, yes the naviagation, I feel now I'm able to plan my route, not just follow the red line as always, and that is giving me some precious seconds or be able to, in group, get the mistakes of the others and go on.
     Under pressure, alone, I was able to navigate with the speed and safety that I thought I was far from, so maybe that can be good sign right? sign that when the work start to be done is just need to develope me physicall not so much technically. My next season is getting composed with some competitions, I will participate in Jukolla (finally!) representating my finish club, but for the next times I will be in Portugal O'meeting terrains testing it (I can ashure those are the best terrains you will ever see :p) and in janurary, after exams, time to go Finland for 2 weeks to relax with Anna (my girlfriend) and get more train on my wheels, this time on snow.
     So for now the things doesn't look so scary, as the semester is almost in the end (impressive how time pass...) and I'm almost getting back, see you around there in some forest!








Orienteers,
LS

Thursday, December 6, 2012

Back to the game

   After last race (national absolute champs) this weekend is place for the 1st training camp for the national selection team. It will held also the 5000 m test, which one I will not run...for physicall reasons, in fact I'm still waiting for the day I can run again free of problems, well it is not a problem. Anyway I will take this time to have the map on my hand and discover again the science of orienteering, no pressure, no competition just go around there alone and see what it has to offer.
   The programm is quite full, with night trains too which ones I always avoided but now I will finally go on it, bet on sacrifice. Weekend will be tough, I hope to survive..



Orienteers,
LS

Friday, November 30, 2012

The perfect distance

   This is question I've never seen someone talking about. It is so usually in athletics we recognize the difference between a sprint or a long distance runner but in orieteering I never saw a runner say: "I'm middle distance runner" or "where I'm really good is at long distances". Does it means that orienteering didn't get such a high level to make athletes choose just one election distance or just that the orienteer is strong in every types?
   Beside many people think, there is a lot of different things between a middle course and long course, starting for the map: a good map for middle is usually a bad map for long, but why? Well start to look at the distance of a usual middle race that is aroung 5 - 7 km and a long that goes from 15 - 18 km, so you don't need that much map for a short distance than a long one, but if you want to talk about deeper characteristics it comes right way to your mind the specificities of each one.
   A middle requires a technical course with short legs that makes the runner change direction quite often and with small, but quick options that makes your mind work hard and quick, the controls are usually difficult and tricky. For the opposite in a real long distance, you don't have that much controls but for other side you have a lot of long legs, and the more options it opens, the better is the course. The real challenge for the runner is not find the control, but get there, choose at the same time the quickest but also the econmical option, I say by own experience, it can be tricky and when you have 4 km leg it really pushes for all your capacity. But this are just technical details and what about the physicall capacities? we can say that a good runner in long is also good in middle? I think that here we can work little like in athletics, where we start in young to be fast and then we evolve to resistant. I mean with this that is easier to come from middle to long than the opposite and why? well I believe a middle runner has to be powerfull and quick orienteer, but mostly really powerfull and fast runner (in orienteering language of course), I could say even animal. For the opposite long distance requires resistance capacities, be able to run steady pace for long time and develop a constant rhythm, so I believe it works like athletics, we come from speed runners to long runner, you want example? look at the king of the middle, Thierry, he won the long distance in WOC 2011 by an astonish 6 minutes (am I right?).
  In sume, an orienteer can be complete in all distances, but we can see already many runner taking preferences for determinated distances. By myself I feel much more confortable in middle, for simple reason: when I start a race, I run like I would run short distance, at maximum and usually I have the tendence to do that on the long too, so I die too soon...and other reason is that my vision is really limitated for the red line, if I look the best long distance I've made I would say: "oh I was always so slow..", but this is the thing: be constant and hold on all race. Anyway...I will always prefer the adrenaline of run middle at top speed solving problems quick, in long I will get too bored :P


                                                           This was for sure middle...


Orienteers,
LS
   

Thursday, November 29, 2012

And the best course of the year is...Portuguese!

   It is true! The results of the quest released by the Worldofo are finally determinated and the winner is the 3rd day WRE of Portugal O'meeting 2012, and its course setter is nothing more nothing less that my coach, Bruno Nazário! Well I just have to say that is big proud such recognizement not just for Bruno, but for all portuguese orienteers that something made in this small country is apreciated by all orienteering world. For a portuguese orienteer the word "difficulties" is not new, and with just 20 years of story, orienteering is a really small sport here, unknown by the general of portuguese population, we always worked with few things and our results always spoke for itself, but since 2008 that we tried to change, and work to become recognized at international level.
   I can say on my own that I belong to the first generation  of this new era, I started orienteering exactly in the point when it started to change and all over this 5 years, with few or with nothing I just worked, and with me several other young athletes, to get what was said as impossible: good results at international level and show that portuguese can also orienteer. I can't say exactly I did some great stuff around there, but I try and at least I see that it is possible with lot of work, but I also know that everything starts from here, and this quality recognizement by the best athletes in the world is just such a great motivation to continue fight agains difficulties and don't give up.
  

   I let the course here, I had the oportunity to run on this map on M20 ok, but I can say it was one bad day for me, I got to the end really piced off because I lost around 15 minutes in middle distance, but well now I see why and it is quite understandable with so difficult map!:






Orienteers,
LS

Sunday, November 25, 2012

Find your balance

   Time flies! and last week was just impossible with all that study and train, finally i'm learning the tough life of a student-athlete and go everyday to train, sometimes twice, is not sweet sacrifice. I'm happy to do it and I hope that I can really get used to discipline and hard work, something that is not teached by anyone, you just have to learn it by yourself and my friends, the day you learn to "get up 6 am to go train" is the day you will start to have success on your life.
   But this week was not hard just because of the train, it has been a source of frustration as my foot is hurting again (it hurted  2 weeks ago), but..! now it is the other foot, and exactly in the same place, strange hein? Well I'm getting tired of developping just theories but I really believe this is due to shoes I use and I'm getting more and more convinced that I will start to run barefoot really soon...and with all this sheet on me I had this weekend the last race of actual season (for me just the begin), the national absolute championships. Siriously I will not make much coments for this race because upon everything I love my country and I forgive who organized this race, but if something I have to say is that this was not the best race ever, and if saturday I had good performance and I qualified for final, in the final I gave up as my foot was annoying me really much, I just thought it was better to spare myself and not torture me in such race that in the end was cancelled for some sad reasons...
   "Find your balance" is my moto for next weeks, I have to find the right balance bettween everything and start to work really hard, if there was something I felt, beside pain in my foot, was old feel I missed for long time, be able to run light and soft...so maybe it is too early to say it comes from train but I believe it comes, I always knew I needed to change and now I think I can be happy on that change.
   Ah I recomend to read an interview from one of the top portuguese athletes, Diogo Miguel, 33º place in this world champs, long distance, a really self-motivated athlete that studied for 6 years medicine and trained hard, this is a trully example for all of us of dedication and preseverance, I would like to be like him!


www.orientovar.blogspot.com


Orienteers,
LS

Thursday, November 15, 2012

Hear the signs

     Since last time I posted I've been passing trough some problems related with my health. With such pressure that my train gives (as I predicted) and also the fact I'm university student I have to be much more careful about the signs my body gives me. I had a tooth infection which has been bothering me, and maybe we wonder what the hell is our teeth related with the rest of our body? Well it is quite simple, when your are athlete and you put your body into such pressure as train is, a infection in some zone can be transported all over your body because your blood goes faster when you are in physical activity, and it choose the most sensible places as our brain, our tendons, our articulation...in sum, zones that I prefer to keep healthy if I want to run and if I want to study.
     I've been also ignored it and I continued to train until last Sunday I participated in a national cross country that counts as trials for define the Portuguese team for European cross country champs, of 7 k without rest of train and with this little amount of training in my legs, the cross was really tough with a lot of mud and climbing, I did 25 minutes which is not that bad time, but in payment my head was about to explode and I was feel the repercussions of my insensate option of continue, after a horrible Monday, I decided: ok I'll stop and fix this and for the last 2 days I was stopped. Fortunately, with medicines, it is a lot better and yesterday I did a really good quality training, but when I look for the plan in the next 2 months I know I will have to be really careful about my body in every single aspects, if I really want to train good...
     So, first fast experience, and it just proof to me that this is really the beginning, but I consider it a victory, was the first time I finish a long cross and I wasn't pushing that much, I think I'm getting more adapted to long and fast trainings, that were always my biggest afraid, deal with the long distance, but now I don't have another chance or I do it or there is no worth to keep aiming for higher.     


Orienteers,
LS

Saturday, November 10, 2012

The training based on intensity - the best way to train

   Along side my calculus frequency, I found time in my pause to look for some of the top athletes training and of course I ended up to read some articles about kenyan runners. Well I don't particullary like to speak about the best runners as kenyans because there are a lot of other non-kenyans runners really good that still   can keep on the top, but if there is something I have to admit is that they have total dominance in numbers.
   During all years as athlete my training methods were based mostly on running hard as I can, because I thought the harder I would do on training the easier would be on competition, it used to work when I didn't had that much workouts in the week but when I started to increase the amount of week trainings, I felt that I was feelling all the time more and more tired, I was able to do good trainings but when the competitions came I was totally tired and it was allways a disaster. Why? I always asked to myself, I was going so hard on trainings and still on competition I wasn't able to repeat what I did, my problem was the problem of the majoraty of non-african and non-athlete runners: I just worked too hard. I don't mean with this thing of "work hard" that we have to stop working and do it easy, no that is not good thing if you want to be good athlete, but what I say is: control your intensities, do the runnings on your level, work according to that and you will feel the evolution come calm and constant, there is no need to do a run at 3'30 min/k pace if your lactat aerobic limit is 4'00 -4'15 (yes I'm talking about me), you will just burn more and more.
    All this speech came from that this year finally I started to work based on intesities and because of that I did the lactat test to define correctly my intensity areas and well, I heard it was good results for someone who is just starting season, but honestly I got little ashamed because I thought I was able to run much higher speeds...but for the other side I started to run at the right level and guess what it feels much better every training that come and I can train more! I let the website where you can find different, you will find interesting I promess.



http://www.mariusbakken.com/training-corner/kenyan-training/kenyan-principles.html


Orienteers,
LS

Sunday, November 4, 2012

Long trains

   Where is the essency of running? All over this years I was allways really sad when I had to do long training because I always tought that would be kind of bad for me for several reasons, or I would become too bored and I ended up to get my head tired of running, or the many km's would be bad for my legs and even the low speed would make me slow guy. So I was always running from it and glad when I had to do fast training, I kept doing it and forget to be economic in my runs, so last week I did lactact test and the results were what I trained: good capacity to handle with speed but not that resistant runner...this was enough for my coach make me start every sunday do some long run, and look for the most difficult place for it, looking for it I just have chance on the mountains close too my home, and I invented a really diabolic course with about 15 km and more than 1000 meters of climbing in trails with a lot of mud...(raining season).
   If I was afraid to get bored, well there is no time for it...or if I was looking for some speed, is better that I turn myself economic or I will pay for it in some climbs I catch. The most surprising thing in the middle of this was that I was free of any pain, principally on my feet and I was in really dirty soil. So now I think: "Maybe the ultrarunners are not wrong when they say that run is much more than do it fast", I think there is capacities that this kind of trains teach us and are very usefull  for everything: first we learn how to suffer and second we can be sure that our body is prepared when the those kind of speed trainings come. Comparing to the train of friday where I did 1 hour in 15,6 km (3'50'' per k) and today where I do 1 hour and 20 minutes for 15k, I was much faster friday...but if I want to be faster in friday is better if I keep being slow and consistent on sunday :P
   This year I will get maybe 2 hours to do, and I planned already some hell course of 22 or 23 km that include climbing 400 meters in just about 3 or 4 km....I'm glad and I can't wait for it! I found the essency of my running...on the suffer of all this km's in tough places.

"Prepare your body and you will run forever!"


Orienteers,
LS

Saturday, November 3, 2012

Moments.

    Try to relax little from hard day of study for an Algebra test I'll have monday, I ended up to wonder where is the good things about being a sportsman. What is the first thought I have when I think orienteering? Imagining me coming throught the finish with my arms pointed to the sky celebrating a title in the world championships or the image of the forest, pure and natural where I can be far from everything else in a moment where is just me and the map? This is difficult question to answer, because even I wanted to say the second answer I admit that if I train is because I aim for results or something higher. But more and more I realise and I try to learn that if I can enjoy it first it will come easier to me. Is just a question of think in the best moments I have ever had in orienteering, when I look for it I start to visualize the first championships I was and what I felt on it, the disappointments, the happyness, and when I look to the worst moments there were always something in common: competition pressure. I was so afected with my performance that I forgot to enjoy and relax and when I look for it, I can found a big mountain of ifs, but never a happy tought.
   So what changed along this years to me? mainly humility, no the general concept that everyone considerer as we are always telling to the others that we are sheet, but I mean it inside in our choices and the aims we put. After all pains I suffered with my results I learn that I have to respect, not in a way that is impossible but looking first to the image of the hard work that has to be done and forget it for a while, as athlete I learn to respect my sport, I never know wich course I will get, wich map I will run that day, I just have to adapt myself for it, is impossible (or at least very difficult) for an orienteer prepare himself to the point he says: I know everything what I will do and it will be easy. Is really scary when you are about to start an important race, because you start to question all your preparation due to what you hear about the terrain and the map, but now I know I just have to adapt, if it is beauty forest I will have all pleasure to enter on it and take a good time with the map, and if I feel good I'll have time to celebrate a good result, but that is just sheet compared to the feelling of doing it,
    What about next year? Honestly I don't care that much about my aims, I'm glad to run again (even my feet is quite boring and it is always hurting little) and I want to find the truly happiness on that first than everything, all over this years I felt always little stuck by the train obligation, now I would want to take this easy and a good moment of pain. What can I say? I have so much to learn still and enjoy on it...sometimes I wish I could get a map of some remote forest and I could get lost there for ever, there would be better way to die than that?



Orienteers,
LS

Monday, October 29, 2012

See the positive on the negative - a hard lesson.

    These time that I didn't wrote had been a really quest for me to find the solution for that injury on my feet. During all these year I allways thought that everything was fine on my run and my path would be always shine and free of the bad things that can happen to a runner. Unfortunetly I had to discover it when the most important moments come, and now is time to admit what is wrong and change it.
    As I said my step was not the best one, but where I had to change to make it go right? Well...that is a difficult question an I guess all runners ask that for themselves, but I had my lessons and I'm convinced that we have a natural form to run (due to some researchs) and my quest had been to change for it. Change is not an easy word for anyone, is difficult to admit that we have to change, but uppon my own pride is my aims and what I want. I admit that is not this easy to change than speak it, and I'm actually suffer a lot to run because I don't feel confortable anyway, believe me or not is quite difficult being stuck and feel like you don't know how to move your leg, I can't run fast or even slow totally fine but this is a fight and I have to keep up against everything to make it right. But I can admit that even pain continues little, it went much better and for me it means that I was right and this is the right direction for me to take and if I want to change I have to give 1 step back to give 2 step further and that is what I'm looking on
   This was big lesson for me, because it is in the worst moments we take our big conclusions and I'm happy that I still can change...this weekend I had a race and it was quite hard for me to run in the terrain again because my feet hurt and my shape is miserable, but beside maps were awfull (saturday could give a really good long distance map If....there was a better cartography) I think it was fine to take a map a jog little on it, and the hilly and dirty terrain was good for strenght train, but...when we look for the rest, I think I could cry.



Orienteers,
LS

Saturday, October 20, 2012

Marathon, a fast event.

    Marathon, the mythic distance of 26.2 miles that we know as being the top of the athletics "mountain". Usually the marathon athletes are said as slow, when you find a slow runner in short distances you tell him as distance runner, but is really correct to speak about marathon runners as slow in nowadays? Well we just have to look for some facts: The world record is 2'03''38 and the fastest marathon ever run is 2'03''02 in a slightely downhill course, for who doesn't know these records are made in a stunning media per km of 2'56 and 2'54. But I don't pretend to be mean, those are the best times, if you want to be in top 20 runners of all time your time has to be surelly less that 2'06 and to have some respect at world level is better if you run better than 2'10...think just the preparation you need to feel that confortable in a 2'56 k to repeat it 42 times in a row, did you think? now think the times you did more than 20 km in a training and how you felt when you got the end even the rhythim was not that fast, well it is a little disappointing and scary to imagine a human been do such thing. And this is not everything, those men are able to do 5k segments close to 14 and still keep running, so it means they like to sometimes acelerate the pace to a 2'48 and keep it 5 times, considering the other 37 k of the race that they have to do...ah and don't forget sometimes when you look to the splits and somewhere in middle appears 1 k like 2'43 or something and you wonder that your fastest k ever done was something like 2'45 (and you think yourself as fast). 
     So maybe it is time to take from our idea that just because you can't be a fast runner, you will be a good marathoner. Athletics works like a big mountain in wich step correspond to a certain distance, and further you get in higher steps further you have to be able to get in down steps...for a runner do 2'03 at marathon, he has to have a personal best in half marathon at least 2 minutes faster 1'01'30, wich mean 59'30 and to run 59'30 he has to be able to run under 27'30 to 10 k and for that the 5 k has to be at least 13'10 wich mean a km best of 2'25, wich is actually quite faster in a runner reality. So now we look and we ask: Marathoners are really slow? Is better that you start to train 1 k in order to do less than 2'40 if you want at least be a average marathon runner, forget the slow sessions o 20 km and start to do fast 5 km runs first, then you can think in being a "slow" marathon runner. 
     Personally, I've run 2'37 wich means in good shape I'm able for a 2'32 or something and in 3 k I would be quite happy in running something like 8'45 wich means exactly the rhythim for the world record, so is better that I thin for now I'm like snail next to those guys and start to do some fast trainings. :D



Orienteers,
LS

Frustration time.

   I was reading about what this can be and I had some lights about the subject. For people who read the book "Born to run" is not strange to talk about feet problems, principally when the author of that book was so afected by those and he continues all over the book to defend that is useless to use the regular methods in order to fix this problem, and it was exactly the tecnology of shoes with special soils that was suppose to help us run just make our feet get injuried.
    Run barefoot is not the magic solution because if you take your shoes off and you start run, you will not feel yourself better because you will still run with the usually step of stepping your feet entirelly on the floor instead of put just the front part. I think that the real change has to be exactly in the step, that is the solution I will keepping work on in order to solve this, is important first than all reinforce the calves to help them suport our entire weight, and with that reinforcement our soils will naturally get better too.
   Today I woke up and I couldn't walk, it is quite frustrating be like without feet but then I search for some exercices to my calve and went running again to the forest barefoot, after all this I feel better, just like yesterday. I feel some pain now in my legs because change of this unusual exercices. I know that change my step will be tought work but I really have to do it or I will scrued my entire sport life with injuries.



Orienteers,
LS

Friday, October 19, 2012

Day one.

   After first day pain didn't went away, I had quite bad day and I barelly could walking it was without any dought the worst pain I have ever felt, and I could not find any position to make it better. So I decided that I would take short run to try it and see if it was that bad, I went barefoot in soft terrain, try to use the front part of my feet because I knew that put the back part was mean of pain...I did first 10 minutes and it wend fine without much pain, and I decided to take some rest to because of my calf muscles, then I did 30 minutes more and again that amazing feelling of yesterday came to me and it was so easy again, sometimes when my feet was to down I felt it again, but then it was just a question of correcting it..
   It makes me little confused, because I can't walk without feelling pain, but then if I just make change on my step I can run without pain and easy? I was all those years making question in my head about my incapacity of doing it good when it was just a question so insignificant? Sometimes we forget to look at the little things, and this is lesson for me, I'm quite determinated to end this and finally run as I always should, but for now it is uncertain how it will evolve because injuries of this nature are complicated and can stay for several months...Well now after run I feel it little better, I'll try again tomorrow and we will see...



Orienteers,
LS

How should we run?

  Something that every runners may wonder is: what is the right position to run in order to avoid injuries and have a long running life. That demanding for the perfeect step is not new for me, and all over this year I always tried to change my position because I knew by myself I was wasting energy and it was prevent me to run faster, and the worst of all...I knew that later or sonner some injury would come and I would regret. Well that afirmation was not stupid and yesterday I felt like someone put a knife into my feet...I was running with my usually long stride and some little pain came to my soil, I thought it was insignificant because those little pains are normal in our trains, but then it started to grow and grow until the point I had to stop because i couldn't give a stride foward. So I had to do the rest of my train (25 minutes) steping just in the front part of my feet, and the magic cames! What I always knew, but I didn't believe, came to my front there: I was running without pain, and I was like...flying! and with no effort at all I did the rest at 3'23 like I was levitating.
   I never had such feelling before, and even now I can't almost walk and I know i have serious problem here, I know where is the solution and I will see more and more about this, this was always what I wanted: run fast and easy and now when the necessity came I was able to do it! Well worry no.1 now: fix this shit and try this step again!
   I'll continue to publish more stuff about this and good examples how this works!





Orienteers,
LS

Tuesday, October 9, 2012

Rajamaen Rykmentti

 







    In the end of August, after I went Finland I was invited to enter in this finish club, Rajamaen Rykmentti. It was with great pleasure that I acepted it because it was the oportunity I was looking for long time, I just hope that I can honor the great name of RR and help me to grow as orienteer! :D


Orienteers,
LS

Friday, October 5, 2012

Fighting against the wall

    Looking again to the last year and think what I need to do this year I wonder how hard it will be and how much comitment I'll need to continue pursuit the higher levels of orienteering. For a orienteer that lives in the south countries be good athlete was never a option from the beginning, I'm from Portugal and I can confirm that, here people mentality just doesn't allow that, even in our small sport, where we should work for the same to improve the sport and start to get good results, seems that everyone want to fight for themselves and  defeat the other...well it is kind of sad when I see some kind of attitudes and it start to be more important to win races here in portugal than do something in the major championships, but nevermind I don't care anymore and after last year I just know that I can trust on my own capacities. It is sad when you cannot work from your country just because there is not any kind of good attitudes and where the athletes are trated almost as garbidge and the most funny thing is when we go outside and we can't do what we expected for us, everyone get up to tell that you did wrong...then you really see what kind of suport you can expect and that is why the biggest part of athletes with good chances or give up when they get university or at least they start to work alone based in some kind of strange hope that the impossible can happen, but still sometimes it can happen.
    To be more clearly, I always dreamed that I could be given a oportunity to get better, and finally I got it and I'm determined to acept it, this is me close many mouths that spoke against what I am and I hope this is present for them that now I'm this confident about what I will get with this. Well there will not be anymore empty promesses about this or that, it is time to end with "cute" conversation and do it, next year when it comes it will be there, visible for everyone.


Orienteers,
Luís Silva

Monday, October 1, 2012

Last race of the season

   I had this weekend my last race of this season. It was unsual season because, as I referred in my last post I had to make it bigger this year in order to start training like an orienteering athlete and not like athletics and avoid disappointments like last summer...
  Well talking about the race, was the 2nd round of the iberian championships, a competition bettween Portugal and Spain. The 1st was in Spain some months ago, and now was time to the 2nd take place here, in Portugal. My performances were not as I expected or as I usual do, because I felt quite tired in all races and that is the reflex of handle with hard training for more time than I should, the terrain was the tipical pine tree forest with sand soil that is caractheristic of Leiria and the zone around so I hadn't serious mistakes but joining the heat my rhythim was really poor and I felt bad entire race, worse in the long. I was 1st overall, because I was regular, but this weekend I hadn't any victory...I was in my way to get it in sprint and long but due to serious mistakes I wans't able to keep the lead until the end. The middle was in quite fast terrain, and I did 5,6 km in 32 minutes but I started quite bad and I think that the map had the north lines little wrong so my azimuts were little bad...I did around 4 minutes mistake wich is something that I'm ashame, the terrain was easy I was just too headless. About the sprint quite tough race, with a lot of uphill...I suffered physically and my route choices were generally good until the end where I just took the wrong street wich meant lost 50 seconds and my lead. Finally the long was held in quite hard terrain, 11,1 km I toke it in 1'21. I can't complain that much because I did just a big mistake in the 3rd and I was able to do the rest with quite good options, but my speed? well...in the end I think it was better if I did it walking.
   My conclusions are simple about this race: It is time to stop and the next 2 weeks will be a beloved rest that will be also good to dedicate more to my studies. Beside I'm mentally fresh physically the story is different and I know that with this new coach the things will be different so I have to be prepare to hold with the heavy training and keep my evolution.





Orienteers,
LS






Saturday, September 29, 2012

New life

  Well I considerer that is more than time to start write in english, so let me start for the description of my life since my last post. My holidays ended up and with that end university finally came to my life, I entered in what I wanted, physicall engeneering, so a good challenge for those next 5 years...I confess that this beginning scared me little because I was used to some kind of easy life in high school where I could, beside training, do all stuff I wanted but now, if I want to keep focus on my sport, I have to live just for study and train. It is not anything that fright me and from it start (2 weeks ago) I'm getting more used to it and now I'm enjoying it quite much.
   About my sport life, after this summer competitions I said that I would forget the competition and I did it, beside I continued to train until now, this year I will change to a anual season beside the regular season I had from August to July, I was in Finland and I continued to run but always enjoying first than see it as a obligation. I had fist orienteering competition last weekend since I cameback from Finland and I think I'm quite tired and without legs, well those are quite good news because after the race I'm now this weekend I will have finally my rest and I'll be able to start new train with new coach, my next aim is quite clearly for me and I don't want to happen again what happened last year, that I have a dream year and when the moment comes i'm just out of shape.
   Well I think I'm giving the step in the right direction, I'm one step from my future and when university end I'll finally be able to get my job and acumplish my biggest aim in orienteering, well lets see how it goes...



Orienteers,
LS























Tuesday, August 28, 2012

Sabor de liberdade.

   Por estes dias de Agosto tenho aproveitado a liberdade que ainda me resta até a faculdade chegar. Apesar de no verão haver sempre a tendência da preguiça, tenho procurado conciliar isso com a boa vida e fazer tudo aquilo que gosto, mas livre.
    Depois de voltar da Finlândia tenho continuado a treinar, sem plano especifico, fazendo praia, bicicleta e corrida. Tenho procurado experimentar coisas novas, e libertar a cabeça das pressões competitivas e das rotinas fixas para ficar fresco e encarar com vontade os próximos desafios, é bastante positivo e apesar de não ter parado não estou cansado com esta carga. Quando corro, corro sempre bem bem longo, descansado depois até me voltar a sentir bem, e outros dias intercalo com grandes voltas de bicicleta para não massacrar as pernas.
    Posso estar a treinar um pouco sem rumo, mas estes próximos meses, até Dezembro, serão apenas para fazer um treino mais geral de modo a preparar o corpo, pois decidi por fim começar a época em Janeiro e ter apenas um pico de forma para o Jwoc. Vou fazer algumas corridas de 10 km, corta-matos e as provas de orientação que puder, mas tudo sem grandes objectivos, é preciso descansar a cabeça porque quando 2013 chegar vou olhar apenas numa direcção e aí quero chegar sem percalços ou acidentes.



Orientistas,
LS

Friday, August 24, 2012

Um pequeno (grande) passo.

       Nestes campeonatos que passaram muito foi o que prometi e pouco foi o que cumpri, essa é a verdade dura e crua que reconheço. Não vou entrar com o tempo verbal pretérito imperfeito (podia ter feito) e se estive mal foi por minha culpa. No entanto saber tirar o melhor de cada experiência e excluir o que correu mal faz parte, e vou relatar aqui, para mim, o meu maior feito nesta modalidade até aos dias de hoje: Jwoc qualificatória e final da distância média.
     Cada vez mais apuro que o meu habitat natural é mesmo a floresta, para mim o sprint é uma prova à qual não me consigo adaptar e acho que nunca vou conseguir, mas quando estou na floresta as coisas tornam-se um pouco diferentes. Quando neste Jwoc o sprint e a longa passaram eu já havia desistido de alcançar um bom resultado, a partir dali só queria dar o meu melhor e pelo menos honrar a minha ida à Eslováquia, a minha confiança era tão baixa que já pouco confiava nas minhas capacidades e cada vez mais me afundava e sentia que fisicamente ia quebrar, no entanto tinha de acabar as provas e o que viesse é o que aceitaria. Parti na qualificatória com a perspectiva de fazer uma prova para os 20 primeiros, mesmo sabendo que só dificilmente o faria e foi assim que parti para minha prova. 1º ponto chega com segurança e levo 1 minuto do melhor parcial, nos restantes pontos até ao 5º as coisas fluem, mas já sentia o cansaço nas pernas. Porém apanhei o atleta que havia partido antes e aí sabia que tinha boa prova, fiz o resto da prova com ele a um ritmo intermédio e pensando que talvez conseguiria uma posição nos 15 primeiros, cheguei ao fim descontraído e com a sensação que havia entrado na final A, só não esperava quando a speaker anunciou o meu nome como a liderança na série C com menos 40 segundos que o 1º classificado até ao momento.
      Engraçado, havia sido o 1º português a ganhar uma qualificatória num Jwoc, um feito que foi cantado nos sites internacionais de orientação como um grande dia para mim e muitos anteviram como uma possível vitória no dia seguinte, tristes lunáticos... erraram em tudo, nunca foi o meu grande dia e a vitória ou pódio jamais estaria ao meu alcance, no Jwoc não há surpresas, a lei do mais forte impera e tudo se rege segundo ela e apesar de eu ter fugido um pouco a isso rapidamente fui amarrado de novo a essa lei. O que aquilo representou para mim foi sobretudo partir em último na final e sabia que melhorar o 51º do ano transacto seria a minha vitória. A final chegou, o nervoso miudinho proveniente da responsabilidade de partir com o dorsal 60 caiu-me um pouco em cima e foi dificil lidar com isso até à partida. Fui dar uma grande volta ao mapa de aquecimento e quando voltei tinha 1 hora e meia para me preparar, foi o que fiz, vesti-me e aos poucos começava a sentir os olhares dos melhores atletas a cair sobre mim, provavelmente questionavam-se quem era aquele intruso que se havia intrometido onde não devia, e tinham pena de mim porque o pior ainda vinha ai. De uma forma ou de outra teria de partir e fazer a minha prova, teria o Eskil Kinnenberg à minha frente e se havia algo que gostava era apanhá-lo e dar-lhe uma lição, mas calma aí...ele era somente o campeão do mundo de distância longa e 3º lugar no sprint, onde estava eu com a cabeça? "Bem que se dane", pensei eu, "o 60º já ninguém me tira" e assim fui, uma pilha de nervos estava prestes a explodir dentro de mim e estava disposto a "arranhar" e a sofrer até ao fim.
      Parti com uma velocidade incrível, 1º ponto vem perfeito, 2º também, no 3º avisto nada mais nada menos QUE A MINHA PRESA!! o impossível havia ganho forma e pensei que aquilo era o sinal que esperava, quando me preparava para me colar dei por mim a rebolar encosta abaixo e rapidamente o perdi no meio das depressões e tudo o resto. Continuei concentrado e sempre a aumentar o ritmo, não falhei nada e voltei a apanhá-lo...ele leva-me a cometer o meu 1º erro no 9º ponto (algo que ele se orgulha e fartou de se gabar a mim na festa), cerca de 25 segundos foram e agora era continuar...começo a vacilar no ponto 12 e ai soube que a minha prova havia terminado. O caminho até ao fim foi uma penosa viagem onde dei sempre o meu máximo, quando alcancei o pórtico a dizer "meta" estava felicíssimo comigo mesmo e sabia que o dia estava ganho. 42º lugar no final e ainda com um erro de 2 minutos à mistura, a conferir parciais descobri que o 16º lugar me pertencia a picar o ponto 12 (cerca de 2/3) e ai soube mais do que nunca do que reside dentro de mim. Para mim tudo isto foi a prova que eu esperava, no próximo ano eu estou lá outra vez mas ai não haverá desculpas e irei obter aquilo que for capaz, mas para isso é preciso muito trabalho e o que me vale é que estou disposto a deitar-me a ele, não é só sobre a bicicleta que honram o nosso país...serei eu a provar que é possível ir buscar um medalha na pedestre.




Orientistas,
LS

Sunday, August 12, 2012

Finlândia - A experiência.

    Vir à Finlândia é e vai ser uma experiência para recordar por muitos anos porque se até agora todas as vezes que tive a oportunidade de fazer orientação em outros países o tempo de estadia nunca era suficiente para criar uma habituação e tornar a minha navegação confortável nesses terrenos, mas aqui tivemos uma sorte dupla: o tempo de estadia que foi cerca de 3 semanas e ainda viajámos de sul a norte do país e estivemos em cerca de 20 mapas diferentes.
     A primeira semana não foi fácil por isso tive o cuidado de entrar calmamente e preocupar-me em conhecer todos os detalhes da cartografia e dos elementos próprios destes tipos de terrenos, mas acabei por me começar a soltar e quando estive Voukkatti, zona onde irá ser o próximo campeonato do mundo de orientação, já navegava com alguma fluidez apesar dos terrenos serem um pouco extremos em progressão e orientação. No fim da segunda semana seguimos para Yllas, na Lapónia e aí experimentámos mapas totalmente diferentes do sul, muito mais simplificados e simples o que juntava à nossa navegação uma incerteza constante do local onde estávamos, apesar de serem mapas pouco convidativos a treinos demasiado detalhados, ensinam a essência da navegação grosseira e da confiança pessoal. 3 zonas diferente da Filândia, no sul aprendemos a navegar em terrenos com muitas rochas, no centro aprendemos a navegar com pouca visibilidade e no norte aprendemos a navegar nos terrenos mais simplificados que já alguma vez conheci. Conseguimos fazer quilómetros e quilómetros de treinos nestes mapas e mesmo duas provas este fim de semana, senti que ás vezes não sabia fazer orientação mas outros conseguia sentir tudo o que existia no terrenos e acabei por entrar na essência destes terrenos.
     Foi uma das melhores experiências da minha vida  e espero no futuro repetir isto mais vezes, porque para um orientista crescer precisa de experimentar o extremo de todos os lados e eu consegui isso aqui e acho que isto é o caminho certo para num futuro poder ambicionar algo mais em futuros campeonatos.



Orientistas,
LS

Tuesday, July 31, 2012

Perdido pela Finlândia..

   Depois de todas as competicões é altura de umas férias merecidas e este ano decidi experimentar algo diferente e vim 3 semanas, com o Filipe e o Miguel, para a Finlândia para passarmos umas boas férias em grupo mas sobretudo para experimentarmos estes mapas sempre ditos tão difíceis. Os primeiros dias serviram um bocado como adaptacão mas agora tornou-se mais fácil navegar por aqui e já fiz alguns bons treinos...só que a questão é que estou de férias e sinceramente o que me interessa é aprender e não competir.
   Para além dos excelentes mapas que aqui encontramos, a região é igualmente bela e agradável de se estar com muitos e muitos lagos onde podemos passar grande parte do tempo e ainda florestas espetaculares onde dá realmente gosto correr e passear. Ainda tenho duas semanas por aqui, mas vai ser com muita pena que deixo esta região belissima.
    No fim desta semana seguimos para o norte, não sei bem o que esperar em termos de mapa mas sei que vamos entrar em contacto com uma região mais selvagem e natural por isso acho que vai ser ainda melhor. Destaque para o treino extreme de hoje, num mapa onde só havia pântanos e afloramentos. Consegui sair vivo de lá, not bad...venha a próxima!




Boas férias e aproveitem-nas que eu faco o mesmo!



Orientistas,
LS

Saturday, July 14, 2012

It's over.

   Este Jwoc sucedeu a um fraco Eyoc e se já estive mal num também nunca poderia estar bem agora. Não tenho grandes palavras para descrever tudo o que vi ou aprendi nesta semana (para além do que já tinha visto no Eyoc), a não ser trabalho. O campeão do mundo não é escolhido ao acaso e só os melhores atletas do mundo vão lá e cumprem, é preciso uma preparação brutal a juntar ao talento e são tantos a lutar pelo mesmo (180) que a competição é algo fenomenal.
    Nunca estive brilhante neste Jwoc, pensei que no sprint podia fazer alguma coisa mas fisicamente acabei por falhar, na longa desisti por fatiga acumulada e só na distância média me levantei e ganhei a qualificatória. Na final fiz uma das minhas melhores provas, o mapa e o percurso eram terríveis mas consegui aguentar a pressão e ainda apanhei o campeão do mundo de distância longa pelo caminho...tive pena de no final (quando seguia em 16º no ponto 12)  ter perdido as pernas outra vez. Quanto à estafeta, por respeito a mim e aos meus colegas não vou proferir palavra.
   Resultado? Trabalho, mais trabalho e ainda mais trabalho é o que falta. Com uma boa preparação e cabeça sou capaz de conseguir alguns resultados, em todas as provas senti que conseguia só que senti a falta das minha perninhas...é algo que para o ano vou tentar colmatar e por agora vou de férias e não volto a escrever mais aqui até me sentir completamente em mim. Foram tempos de guerra dura e crua, cuja perdi airosamente, e só preciso de regressar ao "quartel" e organizar as minhas ideias, boas férias a todos e até à próxima época.


Orientistas,
LS

Wednesday, July 4, 2012

Eyoc - O fim de uma etapa

   Ao longo destes dias que passaram e voltei a casa pensei mesmo muito no significado que esta desilusão e esta falha tiveram em mim. Foi o meu último Eyoc, o que significa que agora começa verdadeiramente a doer porque o Jwoc é uma competição muito mais dura e renhida, no entanto ao longo da minha curta carreira desportiva tornar-me um dos melhores atletas da minha idade foi o meu grande objectivo e isso significaria obter bons resultados no Eyoc. Todas as edições em que participei me ensinaram alguma coisa, em 2009 apercebi-me que era possível marcar a diferença e alcançar bons resultados (mesmo sendo português) numa competição deste tipo, em 2010 aprendi o poder do espírito e da vontade num objectivo, em 2011 ensinou-me a moderação e os benefícios do trabalho direccionado, e este ano? Bem...ainda não descobri ao certo, mas acho que obtive a minha confirmação para continuar a trabalhar, não trouxe nenhuma medalha como gostaria nem tive nenhuma prestação brilhante mas ao contrário dos outros anos pela primeira vez senti que se tudo tivesse corrido bem era possível estar entre os melhores.
    Ainda me recuso a aceitar o que aconteceu e estar bem de espírito, eu sei que nem sempre pode haver dias bons, mas eu tinha a obrigação de num dia mau estar entre os 10 primeiros e se não estive foi porque algo de errado eu fiz e quero mesmo mudar isso. Ainda não acabei o que tenho a fazer esta época, o Jwoc ainda está para vir e apesar de tudo vou dar o meu melhor porque eu estou preparado para fazer alguma coisa e pelo menos essa "alguma coisa" quero fazer.
     Para o ano sei que vou mudar, e sinceramente começo a achar que foi bom ter errado para perceber que há sempre algo a melhorar e espero que possa errar muitas mais vezes desde que continue a aprender com isso, se ainda me arrependo de ter dito que este ano seria campeão da Europa? Claro que não, eu bem o podia ter sido tal como outros 20 atletas como eu...para o ano já ambiciono outras medalhas e não tenho qualquer problemas em admitir. Sei que percorrer o caminho vai ser complicado, mas alguma vez as coisas tiveram o mesmo sabor sem esforço?




Orientistas,
LS

Eyoc - Estafeta

    Chegava assim o último dia deste Europeu e o dia em que ia tentar salvar, com os meus colegas, a honra da casa e obter um bom resultado na estafeta. Já estava completamente em baixo após uma distância longa e um sprint maus, mas ainda tínhamos hipóteses de fazer alguma coisa como equipa..apesar da ordem inicial que se havia pensado determinasse que eu ia em último, acabou por me ser dada a oportunidade de partir em primeiro, algo que nunca havia feito antes, e ver até onde podia ir para conseguir dar o testemunho na frente, vou descrever passo a passo a experiência que isto foi porque é sem dúvida algo que quero voltar a repetir no futuro!:
     Antes da partida estava algo nervoso, porque nunca havia partido numa mass start tão grande como esta e não sabia o que havia de esperar...no entanto esperei e quando foi dada a partida só tive tempo de pegar o mapa, localizar o triângulo e tentar acompanhar o forte ritmo que foi imposto naquele inicio. Pior ainda era o facto de até entrarmos na floresta termos tido de percorrer uns 500 metros em caminho, por isso fui-me chegando à frente do grupo e tomei a liderança do grupo perseguidor, visto que o atleta austríaco se lançou num ritmo desenfreado mas quando chegámos à floresta as coisas acalmaram um bocado... correr ali fez-me lembrar correr nos terrenos do mundial de seniores do ano anterior, também em França, visto que era muito irregular e eu estava com algumas dificuldades de correr ainda por cima a subir, consegui acertar bem o meu ponto mas ataquei por uma zona de muito difícil de progressão o que me fez ficar um pouco para trás, quando tomei o caminho para o segundo controlo já estava um pouco para trás, mas a questão é que a estafeta ainda agora havia começado...
     3,4,5 vieram e fui recuperando terreno ao pelotão, alguns atletas foram errando e eu ia aproveitando esse facto para ganhar posições, confesso que o facto de haverem tantas combinatórias e os pontos serem a meia encosta dificultou um bocado  ser 100% certo. No 6º ponto tudo mudou, o grupo partiu e eu era o último elemento do pelotão da frente, dava tudo para me ir chegando e estava a resultar porque ir na frente acarreta erros e eu de trás podia sempre corrigir esses erros..apesar de cansado e desanimado começava a entusiasmar e mesmo sendo complicado correr e aguentar o pelotão eu já começava a dar sinais de acordar e no 9º controlo já eu estava inserido no grupo. Mas o erro era inevitável e acabou mesmo por vir, no 11º ponto em que visitei 2 pontos errados menos o meu...fiquei sozinho com o atleta belga (campeão do sprint) e o atleta sueco e daí para a frente foi fazer tudo para alcançar os atletas da frente. O ritmo era algo assombroso e eu só dizia ao belga para correr mais e mais e então quando chegámos ao caminho de novo íamos apanhando aos poucos os líderes, passei nos espectadores em 5º a uns míseros 25 segundos da frente e conseguia vê-los, puxei o ritmo e no ponto a seguir aos espectadores já tínhamos alcançado a frente.
     Entrava agora na parte final, e controlei o 15º ponto com muita segurança tomando a liderança da corrida com o atleta checo e o sueco, no ponto a seguir nova combinatória e eu segui com o checo para o meu ponto. Avistei-o ao longe, confirmei o código mas detive-me quando vi 63 na sinalética e o código era o 60 no ponto, andei na zona uns 4 minutos e entretanto chegaram os restantes atletas acabei por ver o ponto que pensava ser meu e piquei-o, segui para o 17 onde estavam lá muitos atletas a perder tempo e quando eu consegui encontrar o meu e seguir em 2º já ia com a cabeça perdida, e no 18 e 19 perdi no total á volta de uns 7 minutos.
       Não vale a pena, nem quero contar como me senti quando cheguei a fim pior que estragado pela prova que fiz, e então quando vi o mp não queria acreditar porque era a 2ª vez que tinha desclassificado a minha equipa no Eyoc e lançado por terra todas as esperanças que tínhamos de obter um grande resultado (porque sim era possível!).
   


Orientistas,
LS
     

Tuesday, July 3, 2012

Eyoc - Distância longa

    O dia de ontem havia sido mau, mas procurava hoje levantar a minha cabeça e lutar pela medalha que ontem me havia fugido por um erro tão estúpido, e estava confiante mais que ontem mas a sombra da desilusão ainda pairava em mim e pior que tudo estava cansado de ter dormido mal e ainda por cima ter tido de me levantar cedo para ir para a quarentena, não me importei e procurei descansar pois só partiria às 11:52 e embora não fosse o último atleta a sair mais uma vez partia no fim. Quando chegou a minha hora fui aquecer, mais uma vez um aquecimento simples e aí fui eu para a partida, tentei manter-me calmo mas hoje era mais complicado e estava algo nervoso quando peguei no mapa e saí, para chegar ao triângulo tive de percorrer ainda um longo caminho e quase que falhava o 1º ponto, no entanto até o fiz com relativa segurança e segui para o 2º com um bom ritmo apesar de começar a entrar em áreas cada vez mais fechadas e complicadas de progredir, consegui não falhar o que foi um bom sinal e no 3º também fiz com confiança achei que era hora de ligar os motores e no 4º ponto (pernada mais longa) tentei escolher a minha opção e efectuá-la com confiança no entanto algo começava a falhar e estava a ficar cansado, muito mesmo e fiz o resto da prova a arrastar-me, não errei propriamente muito e no ponto 7,8 e 9 fiz sempre com confiança embora o meu ritmo fosse mesmo muito fraco, não sei o que se passou com o meu corpo e ainda agora tenho dificuldades em explicar o porquê de aquilo ter acontecido e ter perdido tantos minutos fisicamente, foi simplesmente um dia mau. Quando passei nos espectadores tinha caimbras e mal conseguia correr...no entanto foi um dia extremamente competitivo e se não tivesse cometido um erro já perto do final teria entrado facilmente no top 15, porque os atletas ficaram separados por muito pouco.
      Quando cheguei ao fim só me apetecia chorar e enterrar-me, sabia que no fundo a culpa era minha e se não estive bem foi porque nunca tinha aprendido a ser um orientista nem a treinar como tal e agora estava a pagar. O resultado foi mesmo muito mau e quando dei por mim havia falhado as duas provas individuais dos Europeus, agora era a estafeta e sinceramente já não tinha vontade de correr mais, mas era importante que ainda fosse de cabeça erguida principalmente quando tínhamos uma boa equipa e até tínhamos boas hipóteses de fazer algo de bom.



Orientistas,
LS

Eyoc - sprint

    13:02 era a minha hora de partida, atrás de mim só saiam outros 5 atletas por isso significava uma espera longa na quarentena. Tentei descontrair-me ao máximo e nem foi complicado porque já sabia para aquilo que ia e não tinha de ter receio se procurasse divertir-me em fez de estar com medo, acabei por ir aquecer ao 12:40 e era praticamente o único atleta na quarentena, fiz o aquecimento que faço sempre no entanto sentia-me algo preso também pelo tempo estar um bocado instável mas quando sai na minha hora estava com um sorriso e entusiasmado para o desafio que ia enfrentar em alguns momentos. Fui sempre a rolar devagarinho e quando comecei a ouvir o barulho da arena o bichinho começou a mover-se dentro de mim, ainda tive tempo de trocar de camisola no minuto -2 o que representou um bocado confusão para colocar o dorsal e tudo o resto, no entanto nada que me tivesse assustado e quando entrei na arena, e olhei para todos os meus colegas o barulho era ensurdecedor e estava agora mais que nunca preparado para partir, quando ouvi o bip decrescente pus a mão no mapa esperei, sorri e arranquei e assim dei inicio à minha participação no eyoc, demorei algum tempo a encontrar o triângulo o que me atrasou um bocado no inicio ataquei o primeiro ponto com confiança e rapidamente o controlei (erro fatal) e segui para o segundo, escolhi bem a opção e consegui ser rápido, o 3º era uma opção longa e consegui antecipar logo os pontos seguintes. Quando entrei na cidade, sabia que viria a parte complicada no entanto consegui acertar de um modo geral as opções e sabia que tinha boas hipóteses de um bom resultado, continuei e quando piquei o 11 já só tinha mais uns pontitos para fazer, acabei porque chegar ao antepenúltimo ponto com uma prova quase perfeita e quando ia entrar mesmo na parte final cometi um erro na opção e perdi à volta de 6 segundos, mas quando entrei na arena o speaker já comentava que vinha com tempo para uma medalha o que de facto se confirmou quando fiz o finish, embora estivesse empatado com um polaco.
    Fique algo aliviado como desapontado porque esperava um bocadinho mais, mas quando descarreguei o meu SI o que me saiu é que não esperava mesmo e o mp não estava nas minhas contas...entrei um bocado em desespero porque não pensava que havia hipótese do erro ser meu mas quando soube que tinha picado um ponto a 10 metros do meu foi de facto um estocada dolorosa e uma lição que não vou esquecer tão cedo. Pior ainda fiquei quando soube que tinha ido sempre a lutar pela liderança, porque o sprint havia sido mesmo muito renhido e creio que apenas 15 segundos separava os 10 primeiros, o que me deixou contente por estar num circulo tão pequeno, não quis desanimar e apenas queria olhar para a longa que vinha no dia a seguir e ai procurei focar-me embora já tivesse o pressentimento que fosse em vão também...




Orientistas,
LS

Eyoc - Ínicio

     Arranjar coragem para escrever sobre isto foi complicado e há dois dias que a procurava, é sempre fácil escrever e falar sobre as nossas vitórias, mas falar sobre as nossas derrotas é outra situação no entanto vou descrever cada prova por si e falar de como se desenrolou este eyoc ao longo de todos estes dias, farei este relato em vários posts para que não seja tão extensivo, por isso aqui vai.
     Saímos de Portugal na madrugada de quarta-feira da semana passada, e atravessamos em algumas horas Espanha inteira e ainda quase metade de França. Já tinha feito a viagem uma vez por isso já conhecia mais ou menos os locais por onde passara, no entanto desta vez parámos em S.Sebastian, uma cidade Espanhola no país Basco mais precisamente no norte de Espanha, para almoçar e só depois seguimos viagem. Chegar a Bugeat soou como um verdadeiro dejá vu, porque já tinha feito aquele mesmo caminho uma vez e voltar a ver aquelas paisagens verdejantes foi bom, porque só me trazia boas recordações dos momentos que havia passado ali em Abril embora agora estivesse tudo muito mais verde e o tempo estivesse mais quente. Em Bugeat fomos ao event center da competição, esperando ter o tão desejado jantar após umas longas 16 ou 17 horas de viagem mas rapidamente se traduziu em desilusão quando nos serviram iogurtes, pão e fruta, para além disso ainda tivemos de aguentar a humilhação por parte das outras selecções por Portugal perder em frente à Espanha...mas ainda estava para vir a cereja no topo do bolo e isto era o alojamento que era um bocado como uma casa para refugiados ou algo do género, tudo bem era hora de ir descansar.
      No dia seguinte fomos acordados bem cedo pelo ruído de umas obras mesmo ao lado, e mal pude descansar da viagem, também não consegui comer nada de jeito de manhã e só ao almoço é que pude comer a minha primeira verdadeira refeição em dois dias. Há tarde fomos ao model event, ao mapa de Viam Lestard encostado ao mapa da longa, já lá havia estado antes e confesso que agora o encontrei muito mais verde do que o habitual o que já me fazia antever um bocado a distância longa, no entanto a volta que dei foi grande e alertou-me um  bocado para o que ia apanhar no sábado. Voltámos ao belo do alojamento, era agora véspera do sprint e só me apercebi disso bem tarde, com o peitoral 46 ia começar o meu Eyoc e ainda mal sabia o que me esperava, ou talvez já o previsse...



Orientistas,
LS

Tuesday, June 26, 2012

The end of the road - Eyoc e Jwoc

    Depois de um ano inteiro a ansiar por isto a verdade é que ontem foi o meu último treino mais a sério e é já na próxima sexta-feira que começam os campeonatos europeus de jovens, este ano em França. Começando com a prova de sprint em Meymac, sendo depois a distância longa em Viam Lestard e a culminar com a estafeta, o programa desta competição fica completo e a mim espera-me outros 95 atletas de 29 países o que só significará competição renhida.
    Será que deverei estar assustado e preocupado com o que virá? apesar de ter aspirações a um bom resultado não esquecerei (como alguém me disse) que existem pelo menos outros 20 atletas a querer o mesmo que eu, apenas o dia ditará quem está melhor eu apenas lutarei para fazer a melhor prova que conseguir mas não minto se disser que uma boa prova me dará a possibilidade daquilo que mais ambiciono, uma medalha, só que por agora e a faltar 3 dias para a primeira prova a última coisa em que quero pensar é nisso. Esta atitude é a minha defesa ao nervosismo, porque é fácil ir-se a um desses campeonatos sem se ter objectivos e fazer apenas a prova, mas quando há 9 meses que penso sistematicamente num bom resultado e treinei para isso, mesmo tendo altos e baixos, é normal que se criem expectativas e que queiramos corresponde-las com o que se espera, no entanto acho que consegui chegar onde queria e agora é apenas dar o passo final e mais importante que tudo ter a coragem e saber dá-lo com confiança. 
    Preparado ou não venham as provas, nestas 2 semanas que passaram estive ligeiramente em baixo porque estava cansado e estava imensamente preocupado com isso, mas agora sinceramente estou-me borrifando para tudo. Já conheço os mapas onde vou, sei o que tenho de fazer e quando o 5º bip soar eu apenas pegarei no mapa e tentarei chegar ao final no menor tempo possível e qualquer que seja o resultado, se souber que não podia fazer mais nada isso ser-me-à suficiente para recebê-lo de braços abertos. 
    Por agora vou preparar as últimas coisas, hoje à noite darei inicio à minha jornada rumo ao Eyoc e espero que para além do equipamento leve também boa sorte. Uma palavra de apoio a todos aqueles que vão participar no Eyoc, orgulho-me de ver que quem está nesta selecção já sabe ao que vai e sem medos e é assim que quero que enfrentem todos os eyoc's, jwoc's e woc's futuros porque até começar a prova o vencedor é apenas uma incógnita e não interessa o nome do país que traz às costas...



Espero que o próximo post a escrever seja de grande alegria!


Orientistas,
LS

Thursday, June 14, 2012

Uma brincadeira

      Ontem participei numa prova de 3000 metros em Lisboa. Era uma excelente oportunidade para eu fazer uma boa marca visto que o 1º lugar fez 8'48 e isso é um ritmo que "supostamente" eu deveria ser capaz de aguentar, mas decidi por esta vez abdicar da minha prova e ir ajudar o Filipe a baixar dos 10 minutos. Comecei por regular o ritmo para 3'15 e passei no 1º km a 3'13 com o Filipe imediatamente atrás de mim (3'14), no 2º km diminui um pouco para lhe dar alguma margem de recuperação e foi feito para 3'16 (3'19 para ele) e aos 1900 metros arranquei para aquilo que tinha planeado, dar o que puder no último km...ora consegui fazer 2'54-2'55, nada de especial creio eu mas tendo em conta que acabei tranquilo e o tempo (9'24) que há um 1 ou 2 anos era algo do outro mundo agora fazer a brincar deu uma boa impressão.
     Mas a minha dúvida permanece, será que sou mesmo capaz de fazer abaixo de 9'00 minutos? O meu treinador acha que sim, e eu pelo que treino devia ser capaz até de 8'45...só que treinar e ser capaz não chega, é preciso saber fazer e correr atletismo não é o mesmo que correr numa prova de orientação. Há o pressuposto que todos os corredores de orientação devem aguentar e correr facilmente longas distâncias, mas eu cada vez menos acredito nisso não só pela minha experiência enquanto corredor mas pelo que vejo à minha volta, porque correr longas distâncias implica manter um ritmo, não muito alto comparando com outras provas, durante muito tempo e em orientação raramente fazemos isso...as provas funcionam como uma espécie de fartleck onde alternamos o nosso ritmo de corrida dezenas de vezes e por isso, juntando algum trabalho de velocidade no treino, é-me fácil chegar aos 2'35 nos 1000 embora essa corrida tenha sido feita num ritmo totalmente descontrolado, pois tenho uma dificuldade enorme em correr descontraído e regularmente, e isso deve-se às constantes mudanças de direcção, de piso e de altimetria que somos alvo nas provas de orientação.
     Correr na pista é, como eu descobri, um desafio muito grande e se não tiver habituado a fazer lá provas posso esquecer boas marcas, recordo-me quando era juvenil de 1º ano e consegui aprender a correr na pista os resultados que saíram logo (9'18 aos 3000) e tinha apenas 15 anos, mas hoje estou muito mais forte e corro bem mais e não consegui melhorar muito...é frustrante não conseguir porque faz parte dos objectivos. Veremos como será para o ano.




Orientistas,
LS

Tuesday, June 12, 2012

17 dias

  Pouco mais de 2 semanas é o que falta para começar o EYOC, e agora mais do que nunca olho para o que  este ano me trouxe, foi um ano cheio de novidade e apesar de também terem existido momentos menos bons em que não consegui cumprir o treino ou provas más olho para o que correu bem e de um modo geral consegui dar o meu "salto". Tenho a certeza que todos os atletas gostam de comparar o que conseguem evoluir de ano para ano, este para mim terá um significado especial pois finalmente quebrei uma grande barreira e consegui chegar ao degrau seguinte, já estou de férias e com o 12ºano feito e agora só quero acabar os exames e dedicar-me à competição.
      A semana passada acabei por participar numa prova de 1500 metros e consegui fazer 4'15'9. O tempo é fraco e na verdade o ritmo que impus nessa corrida é quase o ritmo que treino para fazer os 3000 metros, mas tendo em conta que nem quebrei no fim, e corri sozinho na frente num dia ventoso era realmente o pior que poderia fazer, por isso foi uma boa preparação para encarar os 3000 de outra forma. Nesse fim-de-semana foi novamente estágio da selecção, onde fizemos um treino de opções longas, azimutes e nocturna no sábado a fechar com uma estafeta no domingo, apesar de nem andar a treinar muito acabei por me sentir sem força e preguiçoso nos treinos, talvez fosse por já não pisar estes terrenos há muito tempo (que são muito arenosos) mas o que é certo é que em todos os treinos me deixava ficar e não sentia força para ir, e por causa disso ontem não consegui acabar o treino de pista que já foi bem mais exigente que a semana passada (600-1200-1000-1000).
      Sinceramente nem estou especialmente preocupado com o treino agora, isto é uma altura onde o que quero é descansar e recuperar a forma, ainda tenho 2 semanas para isso o que é mais que suficiente. Vou começar a treinar 5 vezes por semana para ajudar a essa recuperação, mais importante que tudo neste momento é que o trabalho duro está feito, agora é afinar a máquina até ao dia da competição e estou orgulhoso da época que fiz e não apenas de mim mas como dos meus parceiros de treino, este ano mais do que nunca o facto de ter esses companheiros foi uma forte motivação e apoio para todos nós e tenho imensa pena que para o ano vamos perder esse companheirismo...mas quem sabe se um dia não poderemos treinar todos como profissionais. =D



Até para a semana, vemo-nos no RA4!


Orientistas,
LS

Monday, June 4, 2012

Nacionais - 2nd round

   Depois de uma merecida semana de descanso tive neste fim de semana os campeonatos nacionais de distância média e sprint em Marvão, uma cidade medieval lindíssima. Foram mais uma vez provas onde não estive nem perto de bem, e isto está-me a deixar algo preocupado comigo mesmo...
    No sábado foram as duas mangas de sprint, uma de manhã e uma de tarde. Os mapas, apesar de bons, foram diferentes de manhã e de tarde, de manhã não era propriamente adequado à realização de sprint e acabou por ser uma distância média curta. No entanto não faço esta critica à toa, a definição de sprint diz-nos que deve ser uma prova rápida, onde a dificuldade reside na escolha do itinerário e não na zona do controlo e isso não se verificou aqui, porque era muito complicado e qualquer distracção levaria à perda de muito tempo porque o ritmo que levávamos era demasiado grande para manter a leitura. Falo por mim que perdi 6 minutos em 2 pontos, o que me arruinou a prova, fiz 22 minutos num percurso de 2,8 km e podia ter feito cerca de 16... faço outra critica em relação ao critério usado, neste mapa era complicado prever que pedra iríamos encontrar porque era algo disforme a sua representação no mapa, no entanto admito que foi minha culpa ter feito má prova e se tivesse tido atenção não havia cometido tais erros. Já a tarde a situação era diferente, o mapa era muito bom e excelente para a realização de sprint, mas mais uma vez da minha parte senti preguiça mental e mesmo física e difculdade em desenvolver ritmo de competição. Cometi vários erros de opções e estive muito lento na decisão, mais grave ainda foi ter perdido 2 minutos num erro de opção e que me tirou quaisquer hipóteses de bom resultado.
 






  No domingo foi a vez da distância média, mais uma vez e à semelhança do estágio parece que "acordei" e consegui fazer uma prova mais ao meu nível, longe de perfeita como é claro mas melhor o que me animou um pouco mais. Foi um fim de semana um pouco negativo e apesar de estar a cometer poucos erros, quando cometo são sempre grandes. Acho que isto se deve à falta de concentração e por às vezes não descansar o suficiente afecta-me mentalmente, falo de sexta para sábado que mais uma vez dormi muito pouco...se não acreditava que o descanso mental não é importante esta é certamente uma altura que mudo de ideias e se a cabeça não está sã, à mínima distracção um erro vai ser cometido e vai acabar por ser grave. Apesar de tudo esta preocupação vem na altura certa e espero poder resolver estas dúvidas antes de chegar a prova onde nada vai correr mal, porque eu sei e ainda ontem senti que quando quis e senti a obrigação de fazer uma boa prova esta saiu, já há algum tempo que falo desta vontade que não me deixa nervoso mas me faz superar-me e torna-se evidente o que acontece quando não a tenho. No dia 30 de Junho será o meu dia e nesse dia não irei falhar ;D
     Uma palavra de motivação à organização, nem tudo são criticas e temos de reconhecer que rigorosamente nada falhou nestas provas, o que de facto não nos surpreende vindo deste clube.








Orientistas,
LS

Estágio de Viseu

     Há 3 fim de semanas seguidos que tenho contacto com um mapa e isso só pode representar boas notícias, os dias vão passando e Junho já chegou, será no fim deste mês =D  mas por agora vou fazer um resumo do estágio.
     No passado fim de semana estive em Viseu num estágio destinado à selecção sénior. Apesar de ter sido convocado, só consegui arranjar transporte à última hora mas ainda bem que o fiz porque o estágio valeu bem a pena. Apesar de ainda estar longe (felizmente) da idade sénior, isso não significa que não deva começar a habituar-me a essas andanças até para tornar as competições que agora participo (Eyoc e Jwoc) mais fáceis e onde eu sinta que posso obter resultados e estes estágios são uma boa forma de começar isso mesmo porque posso competir com os atletas seniores que são mais fortes e mais experientes e isso ajuda-me a aprender e a evoluir  mais. Os treinos não foram muito pesados, começando pelo sábado, fizemos técnicas de sprint e uma prova, esta já a sério, num parque e num complexo desportivo em Viseu de manhã. Os percursos eram complicados e com muitas armadilhas, por isso fiquei contente com a minha prestação e por ter tomado sempre opções boas, só tenho pena de me ter distraído em 3 pontos onde perdi cerca de 1 min...
     Nessa tarde fomos para o mapa do 1º e 2º dia do Portugal O'meeting, e fizemos 3 partidas em massa. Foi interessante tentar navegar naqueles ritmos e com percursos tão complicados, acabei um bocado por pagar o cansaço das semanas anteriores e de não ter dormido muito na noite anterior e não fiz grande treino, mas acabei e sem erros demasiado graves o que não me deixou preocupado. No domingo veio as provas de distância média, já esperava que os percursos fossem complicados e muito técnicos e não me enganei...na qualificatória da média fiz uma prova regular apesar de um erro no 2º controlo de 2 min, e apurei-me para a final. Aí é que coloquei a cabeça no sítio e consegui sentir a orientação a fluir e apesar da dificuldade consegui sentir de novo aquele "bicho" da orientação que às vezes sinto e desejava sentir sempre! 
     Ao longo desse fim de semana experimentei treinos novos e difíceis, não estive propriamente brilhante e não errei muitas vezes, mas quando errei foi grande. Talvez fosse do cansaço do treino físico das semanas anteriores, só espero não errar desta forma quando chegarem as provas importantes!



Orientistas,
LS

Wednesday, May 23, 2012

O período competitivo chegou!

    É com imenso orgulho que escrevo estas palavras pois foi o último mês de treino a sério da época, e foi de certo o mais duro também! Após os nacionais foi altura de recuperar o que havia perdido nas 2 semanas anteriores com a tendinite, e as palavras do treinador apontavam para um mês difícil em que me ia colocar carga para me levar ao maior pico de forma do ano, e assim foi 6 dias por semana sem falhar um único treino, cumprindo tudo à risca mostrando que o trabalho da época não foi em vão. Houve alturas em que me senti cansado e desanimado, mas o que é certo é que esse cansaço fez parte da preparação e tudo fez parte de um caminho que ateimo em percorrer desde Agosto do ano passado e não descansarei enquanto não alcançar o seu fim.
    Agora o período competitivo chegou e a altura das provas também, é para descarregar e ganhar ritmo competitivo, as baterias estão apontadas para o EYOC e se sinto a pressão e o peso nos ombros é porque, melhor do que ninguém, me conheço e sei aquilo que conseguirei. Já havia admitido publicamente as minhas ambições e volto a fazê-lo, estou disposto a fazer o meu melhor e sei que isso vale alguma coisa, treinei, sofri e tive uma época em que procurei fazer as coisas da melhor maneira. Cresci, aprendi muito sobre orientação e creio que dei um passo em frente e por isso a minha mente está tranquila frente à responsabilidade que me chega com o fim deste mês, sei que desta vez não poderei falhar.
    Sempre sonhei com este momento a chegar, é a recta final de um objectivo e a sensação de que fiz tudo o que podia está cá, agora só resta esperar pelo momento! :D Entretanto irei fazer provas ao longo deste mês, vou tentar bater alguns recordes no atletismo, principalmente nos 1500 e 3000 onde espero fazer 4'05/8'50 tendo em conta a preparação que efectuei. Irá ser altura também de fazer provas de orientação para ganhar confiança com o mapa na mão e as coisas poderem fluir bem em França...
    Motivação e trabalho são os ingredientes que vou usar para obter os meus resultados, quem quiser acompanhar faça-o no site: www.eyoc2012.fr e veja a prova em tempo real através do gps, eu prometo um bom espetáculo : )




Orientistas,
LS

Sunday, May 6, 2012

Convocatórias Eyoc e Jwoc

    Saíram ontem as convocatórias para os campeonatos da Europa e do mundo, e como já havia dito o meu nome constava em ambas, mas esta participação vê-se acompanhada do facto de os atletas terem de contribuir com 225 euros (Eyoc) e 150 euros (Jwoc) e se ter de pagar um dos valores, pagar os dois é praticamente impossível. É desanimador vermos que em outras modalidades os atletas têm todas e mais algumas condições para treinar e poder representar a seleção e nós, orientistas, treinamos para tudo isto e ainda temos de "patrocíonar" a nossa ida às provas internacionais, qualquer dia chegaremos ao ponto de abrir lugares na seleção a quem puder pagar a sua ida!
     Mas se critico o facto de termos quase que pagar as nossas inscrições, também paro para refletir se a culpa é mesmo da federação. Após o 25 de Abril criou-se uma mentalidade na cabeça da maioria dos portugueses que o estado tinha de fornecer tudo, ninguém podia morrer à fome ou estar sem casa! Aliás o desejável era estar sempre em casa sem fazer nada a receber subsidio do estado sem ter a minima preocupação em encontrar um trabalho e construir a sua própria vida. Ora esta crise é muito fruto dessa inatividade social e da ignorância ser um parasita que infecta cada vez mais gente, mas se os nossos avós eram ignorantes por não poder saber hoje em dia as pessoas são ignorantes por não querer saber e não querer fazer, e isto é o que destrói tudo! Quando a balança dos credores e devedores se desequilibra, é sinal para nos preocuparmos...
     É injusto dizer que a direção não faz nada para nós podermos ir aos campeonatos internacionais, aliás tenho a certeza que se pudessem iam todas as equipas completas e sem ninguém ter de pagar nada, mas se continuarmos a depender do estado para nos assegurar o nosso sustento estamos condenados à "guilhotina" e podemos ter um fim triste. Já temos atletas consagrados e que se dedicam a isto quase a 100%, por isso é preciso procurar apoios e motivar ainda mais atletas para esse caminho! Não é errado tornar a orientação uma modalidade comercial, começar a vender aquilo que temos de bom e chamar participantes às provas, se o Portugal O'meeting é uma prova tão importante porquê atribuir a sua organização a um clube? Devia-se tornar uma prova da federação e cujo o lucro reverteria para a mesma e para as seleções nacionais. Tenho a certeza que só o lucro de umas prova dessa envergadura permitiria preparar as seleções nacionais durante um ano inteiro...
    Não é correto acusar a federação, nós os atletas temos de nos mexer dentro dos clubes no sentido de dar vida à modalidade, a crise é complicada para todos mas mesmo nos piores momentos sempre houve lugar para o desporto. Espero não ter de presenciar o dia em que tudo isto acaba e a única coisa que poderei fazer é olhar. : (


Orientistas,
LS

Friday, May 4, 2012

Campeonatos Nacionais - de volta à competição

      Depois de ter passado uma semana sem treinar pensava que já estaria totalmente recuperado, mas acabei por perceber que uma lesão não se resolve assim e não foi surpreendente que tivesse de passar mais outra semana em contenção, onde só consegui praticamente fazer um treino na pista e no resto da semana andar de bicicleta. Chegavam assim os campeonatos nacionais, de distância longa e estafetas, e eu trazia uma forma miserável por isso não reservei grandes esperanças para fazer algo de bom...
       Começando pela prova longa, comecei com alguma contenção e a medo, sobretudo por causa da lesão que não queria agravar, mas acabei por aquecer e acelerei o ritmo. Cometi dois grandes erros sendo que o resto da prova foi limpa, o que deu para um bom 2º lugar, só que isso foi a custo de muito esforço e no fim da prova já desanimava com medo de ter agravado alguma coisa. No dia seguinte foi a estafeta e o gémeo continuava a latejar, um aviso para que não devia sequer mexer-me, mas mesmo assim ignorei e recebi o testemunho numa folgada liderança, graças ao Pedro Nogueira, e tudo o que tive de fazer foi gerir a vantagem. Entreguei destacado ao Tiago Romão que fez o que lhe competia e chegou para recuperar um titulo que nos fugiu à cerca de três anos, o de campeões nacionais de estafetas.
      Foi um bom fim-de-semana, em suma, sempre tive um pouco receio de navegar nestes mapas e nunca fiz grandes provas mas parece que finalmente contrariei a regra e realizei uma distância longa boa (apesar dos erros) e uma distância média (Estafetas) com uma média inferior 6' km, destaque ainda para o facto de ter feito a maior subida de sempre! 135 m verticais, é obra ( xD). Quanto aos resultados, em ambos os dias foi o esperado, havia alguma dúvida para a distância longa porque estaria a competir com o João Mega e ambos teríamos a hipótese de obter o titulo, ele foi o mais regular e aproveitou os meus erros e "tiro-lhe o chapéu" por isso. Apesar de ter ganho alguns parciais, paguei pelos erros que cometi o que se torna uma lição para quem não acredita que uma prova de orientação é uma prova de regularidade e não de altos e baixos.
      Também recebi a agradável confirmação da minha participação nos campeonatos da Europa de Jovens e do mundo de Juniores, o que já era relativamente esperado mas não deixa de ser bom, no entanto não sei...e deixo assim estas reticências para terminar noutra altura. Por agora voltei ao treino, e hoje é o 1º dia de descanso desde a Longa, espero que não haja mais contratempos porque tudo o que quero é chegar em boa forma ao EYOC!



Orientistas,
LS
                                                 
                                                   Aqui fica a foto do pódio das estafetas:

Sunday, April 22, 2012

Decadência - a palavra de ordem

   Ontem foi dia de mais uma etapa do troféu ori-alentejo, bem conhecido por todos nós, com a etapa da distância ultra-longa e com a assinatura da ADFA. Se bem me recordo a participação de 2011 foi bastante animadora e conseguimos reunir alguns dos melhores atletas nacionais, sem contar com os restantes escalões, e criar uma prova competitiva que todos aproveitaram como um bom treino, mas este ano reunimos apenas 60 participantes e poucos foram aqueles que acabaram as suas provas no escalão difícil que contou com 21 km de prova. O que significa isto? é algo que todos devíamos parar e pensar um pouco no que está a acontecer `à nossa modalidade...ainda sou dos tempos áureos deste troféu, quando estas provas chegavam a reunir até 400 participantes o que permitia uma grande competividade e  treinos excelentes, mas disto apenas restam boas memórias. Hoje em dia há provas nacionais que têm menos participantes (como estes campeonatos nacionais que se vão realizar) e a curva de descida torna-se vertiginosa! As participações caíram imenso neste último ano e os participantes nacionais nas provas são cada vez menos.
    Outro exemplo é o orijovem e orijunior, dois dos principais estágios de angariação de jovens! Em tempos ambos reuniam mais de 100 participantes e entusiasmavam jovens que nunca haviam experimentado este desporto a dar os seus primeiros passos por aqui e nestas férias da Páscoa, uma das principais alturas em que se realizavam estes estágios, o orijovem reuniu 12 escassos participantes e o orijúnior nem se realizou por falta de inscrições...e de quem é a culpa? bem, não vou responder a isso. Só olho com tristeza para as opções que sou obrigado a tomar, porque também não existem outra hipóteses, e vejo que não existe futuro...pessimismo? não, antes fosse. Optimismo a mais já tenho quando treino o que treino e dedico o que dedico à modalidade.




Orientistas,
LS